Publicidade

Estresse envelhece biologicamente, mas pode ser reversível

Por| Editado por Luciana Zaramela | 24 de Abril de 2023 às 13h41

Link copiado!

 twenty20photos/Envato
twenty20photos/Envato

O estresse envelhece biologicamente, mas pode ser reversível. Pelo menos, é essa a afirmação de um estudo publicado na revista científica Cell Metabolism na última sexta-feira (21). O trabalho diz que marcadores de envelhecimento biológico parecem aumentar durante eventos estressantes, como cirurgias, mas voltam aos níveis normais após um período de recuperação.

Os cientistas mediram como a idade biológica muda em resposta ao estresse em modelos animais e conjuntos de dados humanos. “Um padrão claro que surgiu ao longo de nossos estudos é que a exposição ao estresse aumentou a idade biológica. Quando o estresse foi aliviado, a idade biológica pôde ser totalmente ou parcialmente restaurada", afirma o estudo.

Amostras de sangue de pacientes idosos submetidos a cirurgias de emergência mostraram picos nos marcadores de idade biológica que retornaram ao nível normal uma semana após a operação. Esse padrão refletiu os resultados de camundongos.

Continua após a publicidade

Os pesquisadores acreditam que suas descobertas sugerem que o corpo é capaz de reverter os processos biológicos de envelhecimento, então a expectativa é tentar aproveitar essa descoberta para desenvolver uma terapia capaz de reverter os efeitos do envelhecimento. É claro que isso ainda está longe de acontecer, e o estudo fornece apenas uma luz no fim do túnel, por enquanto.

Ciência e envelhecimento

Não é de hoje que a ciência se concentra em entender (e possivelmente reverter) o envelhecimento. Anteriormente, uma equipe de norte-americanos descobriu que o estresse contínuo pode acelerar o envelhecimento do sistema imunológico, o que aumenta o risco para casos de câncer e doenças cardiovasculares.

O Canaltech está no WhasApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Além disso, o estresse atua diretamente no cérebro, que desencadeia a liberação de uma cascata de hormônios como cortisol, adrenalina e norepinefrina. Já destacamos seus impactos em cada sistema do corpo.

Fonte: Cell Metabolism via Science Alert