Especialistas procuram reforço após vacina de dose única da Janssen

Especialistas procuram reforço após vacina de dose única da Janssen

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 28 de Junho de 2021 às 14h50
erika8213/envato

Em meio às vacinas contra COVID-19 em vigor, a da Janssen se destaca por sua dose única. No entanto, com a variante Delta em mente, alguns especialistas buscaram um reforço nas vacinas da Moderna ou da Pfizer. Mas por enquanto, as autoridades não recomendam uma injeção de reforço após a vacina da Janssen.

O Brasil já recebeu milhões de doses da vacina em questão, tanto pela compra do Ministério da Saúde, quanto por doações dos EUA.

Dentre os especialistas que defendem um reforço para a dose da Janssen, está Angela Rasmussen, virologista da Universidade de Saskatchewan, Canadá. A especialista tomou a vacina da Pfizer para "completar" a da Janssen, que recebeu em abril. Em seu ponto de vista, ainda não se tem conhecimento se um reforço de vacina após uma injeção da Janssen aumenta a proteção contra variantes, mas "é provável que funcione, visto que os reforços funcionam para quase todas as outras vacinas em uso".

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: Diana Polekhina/Unsplash)

Já Jason Gallagher, professor clínico de doenças infecciosas na Escola de Farmácia da Temple University (EUA), recebeu a vacina da Janssen em um teste em novembro e recentemente recebeu uma dose da vacina da Pfizer. O médico relata preocupação com os dados que sugerem que uma única injeção da vacina da Pfizer ou da AstraZeneca foi apenas 33% eficaz contra a COVID-19 sintomática, causada pela variante Delta.

Ainda em relação à Delta, não há dados sobre o quão bem a vacina da Janssen funciona contra a variante. De qualquer forma, o imunizante utiliza tecnologia de vetor viral e, em estudos, provou-se eficaz contra diferentes variantes do novo coronavírus — como a Beta, descoberta na África do Sul, e a Gama, que hoje é predominante no Brasil.

Fonte: Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.