Eficácia da Pfizer é de 90% em crianças de 5 a 11 anos, diz farmacêutica

Eficácia da Pfizer é de 90% em crianças de 5 a 11 anos, diz farmacêutica

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 22 de Outubro de 2021 às 16h35
Prostock-studio/Envato Elements

Para crianças de cinco a 11 anos, os primeiros dados sobre segurança e eficácia das vacinas contra a covid-19 começam a ser divulgados. Em estudo da farmacêutica norte-americana Pfizer e a empresa de biotecnologia alemã BioNTech, o imunizante desenvolvido contra o coronavírus SARS-CoV-2 obteve uma taxa de eficácia de 90,7%. A investigação completa foi enviada para análise da agência regulatória dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA).

Na próxima semana, um comitê de especialistas da FDA deverá discutir as evidências apresentadas sobre a eficácia e a segurança da vacina da Pfizer/BioNTech em crianças de cinco até 11 anos. Caso a fórmula receba o sinal verdade, a campanha de vacinação contra a covid-19 poderá começar em novembro. No país, mais de 25 mil pediatras e prestadores de cuidados primários já se inscreveram para aplicar as vacinas no público pediátrico.

Eficácia da vacina da Pfizer em crianças ultrapassa os 90% (Imagem: Reprodução/Jesse Paul/Unsplash)

No mês passado, as empresas anunciaram que a vacina da Pfizer/BioNTech era segura e induzia resposta imune em crianças dessa faixa etária. No entanto, os dados foram divulgados somente agora. Ainda em andamento, outro estudo da farmacêutica analisa a eficácia e a segurança do imunizante em bebês, a partir dos seis meses. Nesse caso, os resultados são esperados para o final do ano.

Vacinação da Pfizer em crianças

O estudo da Pfizer/BioNTech acompanhou 2.268 crianças, de cinco a 11 anos, que receberam duas doses da vacina ou duas doses do placebo, com três semanas de intervalo. Pensada exclusivamente para o público pediátrico, cada dose aplicada do imunizante continha um terço da quantidade administrada em adolescentes e adultos.

Na análise de casos,16 crianças que estavam no grupo controle (placebo) foram infectadas pelo coronavírus, durante o estudo. Por outro lado, apenas três que receberam a vacina da Pfizer/BioNTech contraíram a covid-19. 

Além disso, as crianças que receberam injeções de baixas doses desenvolveram níveis de anticorpos que combatem o coronavírus tão fortes quanto adolescentes e adultos que receberam a fórmula "original". Nos EUA, doses  do imunizante já são aplicadas em quem têm mais de 12 anos.

No caso brasileiro, a vacina da Pfizer/BioNTech também pode ser aplicada em adolescentes a partir de 12 anos. No mês de junho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso do imunizante contra a covid-19 nessa faixa etária.

Fonte: CNBC  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.