CTRL + X nas bactérias! Técnica edita e cria DNA bacteriano com precisão inédita

CTRL + X nas bactérias! Técnica edita e cria DNA bacteriano com precisão inédita

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 11 de Agosto de 2021 às 11h30
claudioventrella/Envato

Em novo avanço sobre a edição genética, uma equipe de engenheiros biológicos do Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos, desenvolveu uma maneira mais eficaz de editar o genoma de bactérias, reescrevendo o seu DNA. Usando esta técnica, as informações adicionadas ou removidas podem se perpetuar por gerações e ainda serem recuperadas através do sequenciamento do DNA dessas espécies editadas.

De acordo com o artigo publicado na revista científica Cell Systems, a nova técnica foi chamada de HiSCRIBE e é muito mais eficiente do que os outros sistemas já desenvolvidos para editar DNA de bactérias. “Com este novo sistema de escrita de DNA, podemos editar genomas bacterianos com precisão e eficiência, sem a necessidade de qualquer forma de seleção, dentro de ecossistemas bacterianos complexos”, afirmou o pesquisador Fahim Farzadfard, do MIT.

Engenheiros do MIT descobriram forma de editar e reescrever o DNA de bactérias (Imagem: Reprodução/iLexx/Envato Elements)

“Isso nos permite realizar a edição do genoma e a escrita do DNA fora dos ambientes de laboratório, seja para criar bactérias, otimizar características de interesse in situ ou estudar a dinâmica evolutiva e as interações nas populações bacterianas”, comentou Farzadfard sobre as potenciais consequências da descoberta.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Futuro: edição seletiva de bactérias e melhora dos antibióticos

A expectativa é que, nos próximos anos, seja possível editar, ativar ou silenciar seletivamente genes em certas espécies de bactérias que vivem em uma comunidade natural, como o microbioma humano. Vale explicar que um microbioma representa a soma dos microorganismos que residem nos tecidos e fluidos humanos, compostos na maioria por bactérias.

Dessa forma, é possível pensar na seleção de genes de uma bactéria específica para melhorar a digestão humana, por exemplo. No intestino, existem várias bactérias vivendo em harmonia, mas os cientistas poderiam melhorar os processos para determinado paciente com alguma deficiência. Isso permitirá uma medicina muito mais especializada também.

Em outro campo, a técnica pode tornar as bactérias resistentes a antibióticos mais suscetíveis aos outros medicamentos já existentes, ou seja, aumentará as formas do seu controle. Nesses casos, os genes de resistência serão silenciados pelos cientistas. No entanto, esses tratamentos ainda dependem do aperfeiçoamento do método e novos estudos.

Para acessar o artigo sobre o novo método de edição do DNA de bactérias, publicado na revista científica Cell Systems, clique aqui.

Fonte: Science Blog  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.