COVID: fisioterapia de cheiros ajuda na recuperação de perda do olfato; entenda

Por Fidel Forato | 04 de Novembro de 2020 às 20h40
Viktor Forgacs/Unsplash

Um dos desafios de combater o novo coronavírus (SARS-CoV-2) é identificar as pessoas contaminadas e garantir o rápido isolamento dos casos. Nesse sentido, a perda da capacidade de se sentir cheiros é um importante sintoma da COVID-19. Inclusive, há diferentes graus para a perda olfato e esse sintoma pode ocorrer em qualquer fase da doença ou até mesmo não aparecer. Para o tratamento específico dessa sequela, já existe uma espécie de fisioterapia de cheiros.

Entre os sintomas da COVID-19, é consenso entre a comunidade médica que a perda de olfato pode se prolongar por meses em certos pacientes, mesmo depois do controle da infecção. De acordo com a médica e otorrinolaringologista da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), Maura Neves, em muitos casos, a perda do olfato (anosmia) também está associada à perda do paladar (ageusia). 

Terapia de cheiros pode ajudar pacientes que perdem o olfato por causa da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Free-Photos / Pixabay)

"Muitas pessoas confundem a perda do olfato com a perda do paladar [ageusia]. No caso da COVID-19 a perda do paladar é o que chama atenção para a perda do olfato na maioria das vezes", explica Neves. Mesmo que, de forma temporária, essas questões podem afetar a qualidade de vida dos pacientes. Por isso, são importantes exercícios que estimulem os sentidos.

Perda de olfato por causa da COVID-19

Uma curiosidade é que além da COVID-19, há uma série de outras possíveis causas para a perda de olfato. Isso significa que antes de se fechar um diagnóstico da infecção por coronavírus, enquanto se aguarda o resultado de exames, é preciso considerar outras condições e o histórico do paciente. 

Mesmo incomum, gripes e resfriados podem afetar o nervo olfatório. Doenças nasais, como sinusites e rinites crônicas, também conseguem alterar a percepção de cheiros. Outro ponto importante é verificar se há um trauma recente, já que uma batida na cabeça ou no nariz, por exemplo, pode causar perda de olfato. Até mesmo doenças neurológicas, como Parkinson e Alzheimer, podem desencadear a redução ou a perda do olfato.

Outro ponto importante é que a perda de olfato é conhecida muitas vezes pelo sinônimo anosmia, ou seja, quando ocorre a perda completa da capacidade em sentir cheiros. Só que outras alterações no olfato devem ser levadas em consideração também, como a hiposmia (quando há apenas redução da capacidade olfativa) e a fantosmia (quando se sente cheiros que não existem).

Outra condição que pode ser associada ao coronavírus é a parosmia, onde se percebe uma distorção do olfato em pacientes contaminados. Nesses casos, a pessoa sente um cheiro "bom", como o cheirinho de café, mas o cérebro interpreta como um odor "ruim" ou vice versa. Em todos esses casos, a otorrinolaringologista explica que o treinamento do olfato pode auxiliar na recuperação. Essa espécie de fisioterapia consiste em estimular o nervo olfatório e as conexões cerebrais com aromas específicos.

Casos da COVID-19 estão relacionados a perda olfativa, mas há tratamento para essa condição (Imagem: Reprodução/ Fernando Zhiminaicela/ Pixabay)

Como funciona a fisioterapia de cheiros?

A ideia por trás da fisioterapia de cheiros é estimular a recuperação do olfato. Dessa forma, mesmo que a pessoa ainda não sinta nenhum cheiro nos primeiros dias, essa prática pode trazer benefícios, conforme orienta Neves. Isso porque um nervo danificado tem uma boa chance de se reparar e o treinamento é a maneira de acelerar esse processo.

No treinamento, são utilizadas quatro fragrâncias de óleos essenciais para estímulo do olfato. Entre os aromas sugeridos, estão: rosa; eucalipto; limão; e cravo. "Cada essência deve ser inalada por 10 segundos com intervalo de 15 segundos entre cada uma. O treinamento deve ser feito 2 vezes ao dia durante 24 meses para que haja tempo de recuperação da sensação do cheiro e da comunicação com o cérebro", explica a médica.

Caso não se tenha acesso a essas fragrâncias, a fisioterapia de cheiros também pode ser feita com fragrâncias mais domésticas, o que torna a facilita o treinamento. Entre as opções, estão: café; cravo; mentol; baunilha; menta (pasta de dente); vinagre; tangerina (suco). O modo de uso das "fragrâncias domésticas é o mesmo das essências em frequência e tempo. Deve-se ter cuidado apenas em escolher aromas que não causem irritação no nariz para evitar o desenvolvimento de rinite", ressalta a médica.

Mesmo que esse seja um exercício caseiro, é importante que pessoas com a perda do olfato e suspeita da COVID-19 procurem um médico que seja responsável pelo caso. Isso porque também existem outros tratamentos possíveis para a perda de olfato. Além disso, medicamentos podem ser prescritos, dependendo do caso.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.