Covid aumenta em 33% o risco de um coágulo sanguíneo potencialmente fatal

Covid aumenta em 33% o risco de um coágulo sanguíneo potencialmente fatal

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 07 de Abril de 2022 às 16h40
iLexx/Envato Elements

Uma equipe de cientistas da Suécia descobriu que, após um caso da covid-19, a chance de alguém desenvolver um coágulo sanguíneo potencialmente fatal no pulmão — também conhecido como embolia pulmonar — é 33 vezes maior que a média de pessoas que não foram contaminadas. O risco elevado permanece por pelo menos 30 dias do início da infecção.

Publicado na revista científica British Medical Journal (BMJ), o estudo sobre a maior incidência de coágulos sanguíneos em pessoas que se recuperaram da covid-19 foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Umeå, na Suécia. Inclusive, os riscos podem ser identificados em pessoas que não foram hospitalizadas (casos mais leves), mesmo que em menor escala.

Covid-19 aumenta significativamente o risco de coágulos sanguíneos fatais, como embolia pulmonar (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato)

"Os achados deste estudo sugerem que a covid-19 é um fator de risco para trombose venosa profunda, embolia pulmonar e sangramento. Esses resultados podem impactar nas recomendações sobre estratégias diagnósticas e profiláticas contra o tromboembolismo venoso após a covid-19", detalham os autores sobre as descobertas.

Estudo sobre o risco de coágulo por covid

No estudo, a equipe de cientistas acompanhou cerca de um milhão de pessoas que testaram positivo para SARS-CoV-2 entre fevereiro de 2020 e maio de 2021 na Suécia. Em seguida, os dados foram pareadas em idade, sexo e município de residência com cerca de 4 milhões de pessoas que estavam no grupo de controle (não foram infectados).

Para avaliar o risco de complicações após a covid-19, os pesquisadores analisaram a incidência de três tipos delas:

  • Trombose venosa profunda (TVP);
  • Embolia pulmonar (formação de coágulo no pulmão);
  • Diferentes tipos de sangramento, como sangramento gastrointestinal ou ruptura de vaso sanguíneo no cérebro.

De acordo com os autores, foi possível identificar um aumento de 33 vezes no risco de embolia pulmonar, um aumento de cinco vezes no risco de TVP e um aumento de quase duas vezes no risco de sangramento nos 30 dias após a infecção.

“A embolia pulmonar pode ser fatal, por isso é importante estar ciente [desse risco]”, explicou Anne-Marie Fors Connolly, da Universidade de Umeå, para o jornal The Guardian. “Se de repente você sentir falta de ar e não passar, [e] você foi infectado com o coronavírus, pode ser uma ideia procurar ajuda, porque encontramos esse risco aumentado por até seis meses [em casos mais raros]”, aconselha.

Fonte: British Medical JournalThe Guardian  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.