Comissão da Câmara aprova texto-base que legaliza cultivo de cannabis medicinal

Comissão da Câmara aprova texto-base que legaliza cultivo de cannabis medicinal

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 08 de Junho de 2021 às 15h15
Jeff W/ Unsplash

Nesta terça-feira (8), a comissão especial da Câmara dos Deputados que analisou o Projeto de Lei 399/15 aprovou o texto-base de proposta favorável à legalização do cultivo da cannabis para fins medicinais no Brasil. A ideia é que o plantio da Cannabis sativa seja regularizado também para fins veterinários, científicos e industriais.  

Na votação pela autorização do plantio da cannabis, foram 17 votos favoráveis e 17 contrários. Nesse caso, o desempate coube ao relator do PL, deputado Luciano Ducci (PSB-PR), conforme determina o Regimento Interno. Agora, falta votar destaques que podem alterar o substitutivo de Ducci ao projeto original do deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE) e um apensado.

Projeto de lei que legaliza plantio de cannabis para fins medicina avança no país (Imagem: Reprodução/Ckstockphoto/Envato Elements)

Como essa proposta tramita em caráter conclusivo, ela poderia ser enviada diretamente ao Senado para votação. No entanto, os deputados já informaram que devem apresentar recurso para levar a análise para o plenário da Câmara. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Como poderá ser o cultivo medicinal da cannabis no Brasil?

Vale explicar que o PL pode legalizar o cultivo da cannabis no país com restrições, caso aprovado. Por exemplo, o plantio seria permitido apenas a pessoas jurídicas, como empresas, associações de pacientes e organizações não governamentais. Em outras palavras, não há nenhuma previsão para o cultivo individual. Além disso, as companhias interessadas deverão ser previamente autorizadas pelo poder público e deverá ser apresentado um plano de segurança para evitar o acesso a pessoas não autorizadas.

A comercialização dos produtos deverá ser condicionada à comprovação da eficácia terapêutica da medicação, ou seja, ela precisará ter sua eficácia atestada. Também será necessário receita médica para o uso dos produtos cultivados e desenvolvidos nacionalmente.

Nos últimos anos, o Brasil vive uma maior abertura para estes produtos medicinais. Em dezembro de 2019, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a venda em farmácias de produtos à base de cannabis para uso medicinal no país, desde que haja prescrição médica. No entanto, o cultivo segue proibido e empresas costumam importar o produto pronto.

Para a CEO da Seeding Brasil, Bruna Dagostino Ramos, a aprovação — mesmo que inicial — é muito positiva para o setor brasileiro. Afinal, a autorização de cultivo fará com "tudo seja mais fácil para quem normalmente não teria acesso ao tratamento [com cannabis] ou precisaria passar por meses de batalha jurídica para isso". 

"Focar na parte medicinal é a única saída, no momento, para acabarmos com o tabu que foi colocado ao redor do assunto. Da mesma forma que temos medicamentos à base de outras drogas muito mais pesadas (opioides e ritalina, por exemplo), e que são totalmente distintos dos efeitos psicoativos das originais, precisamos demonstrar o quanto os efeitos de um tratamento medicinal com a cannabis afeta positivamente a sociedade e nada tem a ver com seus efeitos alucinógenos", completa Ramos sobre os desafios que o mercado ainda precisa enfrentar.

Para acessar o PL na íntegra, clique aqui. É importante observar, no entanto, que a comissão não tem autonomia para aprovar o cultivo medicinal da cannabis no Brasil e, para esta finalidade, caso o projeto passe pela Câmara, ainda será necessária a aprovação do Senado e da Presidência da República.  

Fonte: Câmara dos Deputados  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.