Pela 1ª vez, cientistas conseguem reverter envelhecimento de células humanas

Por Natalie Rosa | 20 de Novembro de 2020 às 18h45
Reprodução: kjpargeter/Freepik

Feito inédito na ciência! Pela primeira vez, cientistas conseguiram reverter o processo de envelhecimento da célula humana, que ocorre naturalmente ao longo dos anos, quando os telômeros, estruturas que formam as extremidades dos cromossomos, são encurtadas. Isso faz com que o DNA seja danificado, impedindo as células de se replicarem.

A descoberta foi feita com a ajuda de 26 pacientes voluntários, que se disponibilizaram a ficar em uma câmara de oxigênio hiperbárica, inalando oxigênio puro em uma pressão maior que a da nossa atmosfera, por cinco sessões de 90 minutos, toda semana, durante três meses. Como resultado, os pesquisadores viram alguns telômeros das células sendo estendidos em até 20% do tamanho que tinham antes, ficando como eram 25 anos atrás.

Imagem: Reprodução/Gerd Altmann/Pixabay

Shair Efrati, líder do estudo e médico da faculdade de medicina da Universidade de Tel Aviv, em Israel, diz que se inspirou em um experimento da NASA para conduzir o seu próprio. "Depois do experimento feito pela NASA, quando um de dois irmãos gêmeos foi enviado ao espaço e o outro ficou na Terra, demonstrou-se uma diferença significativa no comprimento do telômero, e percebemos que as mudanças fora do meio ambiente podem afetar as alterações do núcleo celular, que acontecem ao longo do envelhecimento", disse o médico.

A pesquisa também foi capaz de reduzir as células senescentes, aquelas que deixam de se dividir e ficam se acumulando no organismo, em 37%, dando espaço para que células novas e saudáveis se multipliquem. Em estudos anteriores feitos com animais, cientistas descobriram que a vida poderia se estender em mais de um terço.

Imagem: Reprodução/kjpargeter/Freepik

Experimentos com telômeros, no entanto, não são novidade, de acordo com Efrati. O cientista conta que muitas intervenções farmacológicas e ambientais vem sendo exploradas a fim de encontrar respostas para o alongamento dessas extremidades. "A melhoria significativa do comprimento do telômero, durante e depois desses protocolos únicos, trazem à comunidade científica com uma nova base de entendimento de que o envelhecimento pode ser encontrado e revertido em nível básico de biologia celular", completa.

Mesmo com o resultado surpreendente do estudo de Efrati, a descoberta ainda não é motivo para empolgação, pois serão precisos mais estudos com a câmara de oxigênio hiperbárica. Enquanto isso, por mais que o processo de envelhecimento seja natural, é bom saber que existem alguns outros fatores que podem acabar acelerando o encurtamento dos telômeros, como a falta de boas noites de sono e a ingestão de alimentos processados em excesso, por exemplo. Melhorar essas rotinas pode provocar o efeito contrário, de desaceleração.

Fonte: Science Alert

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.