Brasil decide comprar vacinas da Pfizer e da Johnson & Johnson

Por Fidel Forato | 03 de Março de 2021 às 17h24
Maksim Goncharenok/ Pexels

Nesta quarta-feira (3), o Ministério da Saúde firmou contratos para a compra de mais duas vacinas contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), de acordo com membros da cúpula da pasta. Agora, o Brasil deverá distribuir também a fórmula desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer e pela empresa de biotecnologia alemã BioNTech contra a COVID-19 e a da farmacêutica Janssen, do grupo Johnson & Johnson.

Segundo apurou o G1, os contratos apara aquisição das vacinas da Pfizer/BioNTech e da Johnson & Johnson ainda estão em fase de elaboração. A estimativa é que sejam assinados até o início da próxima semana, quando devem ser definidas a quantidade de doses e as datas em que serão entregues.

Brasil deve formalizar compra de vacinas contra a COVID-19 da Pfizer e da Johnson & Johnson (Imagem: Reprodução/ Jubjang/ Rawpixel)

Ministério da Saúde atua na compra de vacinas

Durante reunião nesta quarta com representantes da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, confirmou que a elaboração de um contrato para a compra de imunizantes da Pfizer-BioNTech já estava em andamento. Na ocasião, Pazuello também revelou negociações, em aberto, com a Johnson & Johnson.

Vale comentar que a vacina da Pfizer/BioNTech é a única que possuí o registro definitivo aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil. Os outros imunizantes em uso no país, como a CoronaVac e a Covishield (Oxford/AstraZeneca), possuem apenas autorização de uso emergencial e temporária.

Já o caso da vacina da  Johnson & Johnson é diferente, porque a fórmula já obteve aprovação em diferentes agências reguladoras do mundo, como a dos Estados Unidos e a da União Europeia. Dessa forma, essa autorização poderia ser facilmente replicada no Brasil pela Anvisa, após rápida análise.

Em comum, tanto a vacina da Pfizer/BioNTech e da Johnson & Johnson, incluíram brasileiros durante a terceira e última fase de estudos clínicos antes da aprovação. 

Decisão do Senado Federal

Até o momento, o Ministério da Saúde resistia a ideia de compra de doses da Pfizer/BioNTech sob o argumento de que o laboratório impunha condições muito restritivas, sendo uma das queixas o fato de que a Pfizer não se responsabilizaria por eventuais efeitos colaterais da vacina.

É importante observar que a decisão de compra das vacinas duas novas vacinas foi divulgada no mesmo dia em que o Senado Federal aprovou um MP em que garante autonomia dos estados e municípios para a aquisição de imunizantes contra a COVID-19, caso a distribuição federal não seja suficiente para atender os grupos prioritários.

Fonte: G1  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.