BR registra 1ª morte por recorrência da COVID-19, aponta estudo

BR registra 1ª morte por recorrência da COVID-19, aponta estudo

Por Fidel Forato | 17 de Fevereiro de 2021 às 17h20
HwangMangjoo/Rawpixel

Primeiro caso de morte por recorrência do novo coronavírus (SARS-CoV-2) é confirmado em Aracaju, no estado de Sergipe. Vítima da COVID-19, o paciente tinha 44 anos e era farmacêutico, segundo estudo apresentado por pesquisadores de nove instituições, entre elas, a Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Para detalhar o caso até então inédito no Brasil, os pesquisadores publicaram o estudo, na última sexta-feira (12), no Journal of Infection. No entanto, não se sabe se o paciente foi vítima de uma reinfecção do coronavírus ou de uma recidiva — quando um agente infeccioso de uma mesma infecção volta a atacar o organismo do paciente.

Pesquisa do Sergipe confirma primeiro óbito por recorrência da COVID-19 no Brasil (Imagem: Reprodução/ Pete Linforth/Pixabay )

Entenda o caso

O homem era farmacêutico dentro de um hospital de urgência na capital, onde provavelmente contraiu a infecção pelo coronavírus. No dia 8 de maio de 2020, o paciente testou positivo para a infecção pela primeira vez, de acordo com o resultado de seu teste RT-PCR — exame considerado o padrão ouro para a COVID-19. Na época, o paciente relatou apenas sintomas leves e, em menos de 15 dias, ele voltou ao trabalho, sem necessidade de internação.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Após um mês da recuperação, o paciente apresentou novos sintomas da infecção por coronavírus. No dia 13 de junho, testou positivo em um segundo teste RT-PCR, o que confirmou a presença do vírus no seu organismo. Na segunda vez, a diferença foi a gravidade da infecção, já que o seu quadro era mais severo. Dessa forma, o paciente foi internado e veio a óbito no dia 2 de julho.

"É um resultado importante porque o vírus está associado à morte numa recorrência. No primeiro episódio foi um caso bem leve. Ele voltar a apresentar sintomas da doença nesse intervalo já é algo incomum, e com o desfecho morte é inédito", comentou o chefe do Laboratório de Imunologia e Biologia Molecular do Hospital Universitário de Sergipe, Roque Pacheco de Almeida, para o Uol.

De acordo com Almeida, não é possível saber se o caso se trata de uma recidiva ou de uma reinfecção pelo coronavírus, porque não foi possível isolar o agente infeccioso da primeira amostra de maio. Em outras palavras, não é possível comparar e verificar se eram duas cepas diferentes ou a mesma.

Independente disso, o óbito se distancia do cenário em que é, normalmente, esperado do comportamento da COVID-19. "Pelo que conhecemos do vírus, quando há morte pela COVID-19 é no primeiro episódio, nunca no segundo", explicou o médico Pacheco.

Reinfecção da COVID-19 em SE 

O estudo também traz o relato de mais de outros 30 casos de recorrência da COVID-19, diagnosticados em profissionais da saúde que atuam em Sergipe. Inclusive, foram detalhados casos confirmados de reinfecção. No entanto, nenhum outro quadro evoluiu para o óbito do paciente, como aconteceu com o farmacêutico.

Por outro lado, foi descrito um caso de reinfecção por linhagens diferentes do coronavírus no Brasil, ocorrido em julho de 2020. Até então, o primeiro caso oficial de reinfecção notificado pelo Ministério da Saúde teria sido diagnosticado apenas no dia 23 outubro de 2020, no estado do Rio Grande do Norte.

Para acessar o estudo completo, publicado no Journal of Infection, clique aqui.

Fonte: Uol  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.