Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Bizarra criatura aquática pode ser o parente mais antigo dos vertebrados

Por| Editado por Luciana Zaramela | 08 de Julho de 2022 às 12h05

Link copiado!

AlbertoCarrera/Envato
AlbertoCarrera/Envato

Uma bizarra criatura aquática pode ser o parente mais antigo já conhecido dos vertebrados, conforme sugere um estudo publicado na revista Science. Trata-se do yunnanozoan, que habitava o planeta há 518 milhões de anos. As características cartilaginosas encontradas em seus restos fossilizados são comparáveis ​​aos vertebrados modernos, segundo o artigo.

Por décadas, os cientistas vêm questionando onde os yunnanozoans se encaixam na árvore da vida, e foi com a intenção de esclarecer a questão que uma equipe de cientistas analisou 127 fósseis, que foram submetidos a uma série de técnicas. Seus resultados revelaram detalhes anteriormente desconhecidos sobre a anatomia desses seres vivos.

Segundo os pesquisadores, o esqueleto faríngeo desses animais pode conter a evidência fóssil mais antiga do arco faríngeo — uma estrutura que pode ser encontrada durante o desenvolvimento embrionário de organismos vertebrados e é o precursor de várias partes diferentes da face e mandíbula, dependendo do organismo.

Continua após a publicidade

“Os arcos faríngeos são uma inovação chave que provavelmente contribuiu para a evolução das mandíbulas e da caixa craniana dos vertebrados", afirma a equipe.

O estudo também destaca que esses arcos são compostos de cartilagem dentro de uma matriz de microfibrilas semelhantes às encontradas no tecido de vertebrados. Além disso, uma estrutura presente no yunnozoan também pode ser encontrada em alguns peixes modernos sem mandíbula, como lampreias.

A conclusão é que, embora não estejam diretamente relacionados aos vertebrados modernos, os yunnanozoários podem ajudar a esclarecer a evolução dos vertebrados. “A jornada em direção aos vertebrados modernos pode ser melhor compreendida quando a árvore genealógica é preenchida com formas anatômicas divergentes”, justificam os autores do estudo.

Fonte: Science via ScienceAlert