Apelidos gregos: OMS divulga nomes mais fáceis para variantes do coronavírus

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 31 de Maio de 2021 às 20h40
IciakPhotos/Envato Elements

Em nova estratégia para abordar as diferentes variantes do coronavírus SARS-CoV-2 e reduzir a xenofobia ligada aos países de origem destas cepas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou, nesta segunda-feira (31), novos nomes para as principais variantes do vírus da COVID-19. Os apelidos que devem facilitar a comunicação foram criados a partir do alfabeto grego, como as letras Alpha e Beta.

Por enquanto, a nova nomenclatura é válida apenas para as variantes de preocupação (VOC – Variant of Concern) e as variantes de interesse (VOI – Variant of Interest). Quando as 24 letras do alfabeto grego acabarem, outra série como essa será anunciada, explicou a OMS. Por exemplo, a variante identificada pela primeira vez na Índia (B.1.671.2) deve ser conhecida como Delta.

“Não estamos dizendo para substituir B.1.1.7 [termo oficial para designar a variante identificada pela primeira vez no Reino Unido], mas apenas para tentar ajudar um pouco no diálogo com a pessoa média”, explicou a epidemiologista da OMS, Maria Van Kerkhove. “Para que em um discurso público, pudéssemos discutir algumas dessas variantes em uma linguagem mais fácil de usar”, completou sobre o porquê da nova nomenclatura.

Apelidos para as variantes do coronavírus

Cada variante receberá um nome do alfabeto grego, em uma tentativa de simplificar a discussão pública e remover um pouco do estigma do surgimento de novas variantes, detalhou Van Kerkhove sobre a inciativa. Dessa forma, um país poderá relatar, com mais tranquilidade, a identificação de uma nova variante se souber que a nova versão do vírus será identificada como Rho ou Sigma, e não com o nome daquele local.

Este plano para simplificar a nomenclatura das variantes estava em andamento há alguns meses, porque havia dificuldade em chegar a um consenso. Por exemplo, o primeiro plano era criar nomes de apenas duas sílabas, como AA ou AB, mas havia o risco dessas expressões serem nomes de empresas ou ainda abreviaturas de países. Combinar três ou mais sílabas apenas complicou o problema. Por um período, foi considerado nomes de deuses e deusas gregos ou de números, mas a nomenclatura também foi rejeitada nos dois casos. Até que se chegou ao consenso das letras gregas.

Veja quais são os novos nomes das variantes do coronavírus:

OMS lança novos nomes para as variantes do coronavírus (Imagem: Reprodução/OMS/Twitter)
  • Alpha: B.1.1.7 é a variante detectada pela primeira vez no Reino Unido;
  • Beta: B.1.351 é a variante identificada pela primeira vez na África do Sul;
  • Gamma: P.1 é a variante detectada pela primeira vez no Brasil, em Manaus;
  • Delta: B.1.671.2 é a variante identificada pela primeira vez na Índia.

Vale lembrar que, na semana passada, o governo indiano solicitou que referências ao termo "variante indiana" do vírus da COVID-19 fossem removidas das redes sociais. O pedido foi feito através de uma carta, publicada pelo Ministério de Tecnologia da Informação.

Fonte: STAT News  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.