Quer pilotar um robô de US$ 75 mil no conforto de casa? Sim, é possível!

Por Ramon de Souza | 04 de Agosto de 2020 às 22h45
Tudo sobre

Boston Dynamics

Saiba tudo sobre Boston Dynamics

Ver mais

Nós não estamos duvidando de seu poder aquisitivo, mas vamos lá: é pouco provável que você possua US$ 75 mil (quase R$ 400 mil na cotação atual da moeda) para gastar em um cão-robô importado que, bem, não tem lá muita utilidade prática para um cidadão comum. E se te falássemos que é possível brincar durante alguns minutos com esse mesmo invento curioso, totalmente de graça, e no conforto de sua residência? Pois é, isso já é possível.

A Formant, empresa sediada em São Francisco (EUA), é especializada em prover experiências tecnológicas remotamente e acaba de adicionar uma novidade curiosa em seu portfólio de produtos: um exemplar do Spot, o famoso cão-robô produzido comercialmente pela Boston Dynamics. O bichinho foi pensado para aplicações corporativas e não como uma máquina de companhia, o que dificulta bastante sua aquisição por pessoas físicas.

Felizmente, graças à Formant, você pode se divertir controlando um Spot remotamente através do seu navegador e sem precisar desembolsar um centavo. A companhia está com uma campanha que possibilita a qualquer pessoa do globo brincar com o amigão robótico durante 45 minutos só pela diversão. Tudo o que você precisa fazer é se candidatar à experiência preenchendo um formulário no site oficial da startup.

O “rolê virtual” é feito em ruas da própria cidade de São Francisco, sendo que o operador sortudo precisa ficar em contato com a equipe técnica da Formant o tempo todo via Zoom, obtendo instruções para garantir que nada saia errado. Não é necessário ter experiência prévia, visto que a interface projetada para tal controle remoto é bem amigável — caso queira, porém, é possível ter acesso a dados analíticos do Spot após a experiência.

Quando falamos “dados analíticos”, estão incluídas informações dos mais de 200 sensores que fazem parte do equipamento: várias câmeras, módulos de geolocalização, status da bateria, um mapeamento LIDAR (Light Detection and Ranging) e até um replay completo da sua jornada como um cão robótico. O mais legal, segundo uma jornalista da CNET que encarou a experiência, é observar a reação dos transeuntes ao verem o equipamento em ação. Não duvidamos.

Fonte: Formant

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.