YouTube libera nova métrica "RPM" para ajudar produtores de conteúdo

Por Alberto Rocha | 11 de Julho de 2020 às 21h30
Reprodução
Tudo sobre

YouTube

Saiba tudo sobre YouTube

Ver mais

Com a pandemia do novo coronavírus, os artistas em geral encontraram nas transmissões ao vivo uma forma de divulgar seus trabalhos e, claro, ganhar dinheiro em tempos que aglomerações não são permitidas. Aproveitando esse gancho, a Google aproveitou para revisar suas métricas de monetização e lançar uma nova chamada Receita por Milhar (RPM), na qual os criadores de conteúdo poderão saber exatamente como estão ganhando dinheiro no YouTube.

A nova métrica se junta a Custo Por Mil Impressões (CPM), que vem sendo utilizada nos últimos anos para calcular os ganhos de quem produz conteúdo na plataforma com base a cada mil visualizações de anúncios. Contudo, esse valor não desconta a comissão do YouTube e desconsidera a receita gerada por outros meios como doações e assinaturas, por exemplo. Ou seja, o usuário acaba sempre tendo uma “surpresa” em relação aos seus rendimentos finais.

O RPM, por sua vez, chega justamente para dar mais clareza a quem utiliza o YouTube como fonte de renda e ter mais controle sobre o seu “salário”. O lucro total oriundo de anúncios e demais áreas de monetização já aparecem com o valor de 45% descontado pela plataforma, além de detalhar os valores de cada fonte (publicidade, assinaturas, doações, recursos de transmissão ao vivo), sendo importante para analisar se uma estratégia está dando resultado.

RPM pode não ser vantajoso para todos

Por mais que o RPM pareça mais interessante, isso não significa que você que já tem um canal no YouTube ou que pretende abrir um terá rendimentos maiores. Quanto maior o CPM de um canal, mais um anunciante paga por esse anúncio e, consequentemente, mais dinheiro um criador de conteúdo ganha por vídeo.

O RPM, por sua vez, não exibe esse tipo de indicador de anúncio e já mostra o valor final após a retirada dos 45% do YouTube, o que pode resultar em um lucro menor que o CPM.

"Se o RPM aumenta ou diminui, é uma boa indicação do que está funcionando ou não na sua estratégia de receita. Compreender o que influencia o RPM pode ajudá-lo a identificar oportunidades para melhorar sua estratégia de monetização”, revela trecho da explicação contida na página de suporte da Google.

De acordo com o YouTube, a nova métrica já está disponível para criadores no YouTube Analytics, dentro do YouTube Studio.

Fonte: YouTube  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.