Brasileiros lançam rede social gamificada que ajuda no engajamento do usuário

Brasileiros lançam rede social gamificada que ajuda no engajamento do usuário

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 19 de Outubro de 2021 às 16h47
Alveni Lisboa/Canaltech

Independentemente de eventuais críticas, a gameficação é uma das técnicas mais eficazes de engajamento do usuário, pois estimula a participação e desperta um espírito competitivo. Agora, imagine isso aplicado a algo que já prende naturalmente as pessoas como as redes sociais. Foi exatamente o que os jovens empreendedores Gabriel Cantarin, Paulo Cappa e Antonio Carlos Cronemberger decidiram fazer ao lançar a Waving, uma mistura de TikTok com Snapchat com um sistema de recompensas inspirados em jogos.

O trio teve a ideia de criar a Waving após terem atuado com tecnologia e desenvolvimento de softwares em mais de 30 projetos do segmento, além de experiência no Vale do Silício, nos Estados Unidos. O foco é o público jovem, com idade entre 16 e 23 anos, e a disseminação de conteúdos em diversos países de forma simultânea, com expectativa de alcance de até 1,5 milhão de usuários em 2021.

A rede social brasileira aposta em gameficação para aumentar o alcance dos perfis (Imagem: Alveni Lisboa/Canaltech)

Cada ação realizada na plataforma rende pontuação para o usuário e isso é a base da gamificação proposta. Se alguém recebe mensagens, curtidas ou ganha seguidores a partir de uma foto, isso gera pontos (Waving Coins) que ajudam o perfil a ter maior alcance e libera mais funcionalidades.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Diferentemente de plataformas baseadas em seguidores e amigos, a Waving tem um algoritmo de entrega conteúdo para desconhecidos, como ocorre no TikTok e no Snapchat, o que contribui para a descoberta de criadores de conteúdo. Segundo os desenvolvedores, quanto mais moedas acumuladas, maior será o impacto da divulgação nas rede e isso criaria um ciclo de constante melhorias na rede social.

Nada de monetização

Segundo Gabriel Cantarin, não existe a comercialização de moedas, pois isso tiraria a premissa de "conquistas" plataforma. "A graça da brincadeira é que as pessoas aumentem seu alcance porque realmente se empenham nas interações", afirma ele. No Brasil, dentre as redes sociais mais populares, o Kwai é a que possui um sistema mais próximo, que também recompensa a pessoa por realizar determinadas ações.

Para proteger a propriedade intelectual, os conteúdos publicados na rede terão marca d'água com o nome do destinatário das imagens para possibilitar a identificação de quem vazou algo sem autorização. "Esta é uma medida de segurança bastante importante e um diferencial, já que as redes mais populares não contam com este recurso", destaca Gabriel.

O formato de gamificação utiliza mecânicas e interfaces similares a jogos para engajar, incentivar comportamentos e gerar sensação de desafios em situações da vida cotidiana. Com isso, as pessoas tendem a se sentir mais motivadas a cumprir tarefas que não estão associadas a games, mas que podem ser igualmente satisfatórias devido à recompensa e à diversão.

A Waving já está disponível para download gratuitamente (Android | iOS).

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.