SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

Os 6 superpoderes mais podres da Marvel Comics

Por| 17 de Novembro de 2023 às 13h31

Link copiado!

Marvel Comics
Marvel Comics
Tudo sobre Marvel

Homem de Ferro, Capitã Marvel, Thor, Capitão América, Homem-Aranha, X-Men, Vingadores, enfim, a Marvel Comics é casa de vários dos heróis mais populares do mundo. Mas, como tudo tem um lado cafona, a editora também conta com diversos momentos, digamos, menos inspirados, em que os criadores inventaram personagens com poderes ridículos.

Embora esses personagens tenham servido para algum recurso narrativo em certo momento da trajetória da Casa das Ideias, nenhum deles teve qualquer outra relevância, além de figurar em listas de poderes inúteis.

Então, como já enumeramos também os superpoderes mais podres da DC Comics, agora é a vez de usarmos uma lista criada pelo pessoal do CBR para fazer o mesmo com a Marvel.

Continua após a publicidade

6. Arremesso de centavos

Aqui está uma habilidade que pode ser bastante útil se você está querendo enriquecer, mas não quer dizer muita coisa em um campo de batalha contra inimigos que os Vingadores ou os X-Men costumam enfrentar.

J. Pennington Pennypacker foi cobaia de um cientista que criou uma máquina capaz de injetar habilidades meta-humanas a qualquer pessoa, e o poder que o rapaz obteve foi o de disparar uma quantidade ilimitada de moedas de centavos de dólar pelos pulsos. Por isso, ele foi apelidado de Poderoso Dólar (ou Almighty Dollar, no original em inglês).

Continua após a publicidade

Como dito, isso pode ser extremamente útil se você quer ficar rico, mas não vale nada diante de Thanos — e, convenhamos, haja falta de criatividade, né?

5. Explosão única

Os genes mutantes são imprevisíveis, e, para Bailey Hoskins, foi como uma infelicidade na loteria: quando foi matriculado na Escola para Jovens Superdotados do Professor Charles Xavier, ele aprendeu sobre sua habilidade de transformar seu corpo em uma bomba.

Continua após a publicidade

Isso seria até útil se ele não morresse e só podesse usar isso uma única vez na vida. Hoskins até teve seu momento heróico com os X-Men, mas nunca mais ouvimos falar dele.

4. Cera viva

Glob Herman se parece mais com alguém saído dos camp movies da produtora trash Troma, pois é um dos mutantes mais estranhos que já se juntou aos X-Men. Ele é praticamente um ser feito de cera viva.

Continua após a publicidade

Embora tenha até um potencial para ser um mutante muito mais útil, tudo o que Glob costuma fazer é ser nojento, transformando seu visual para algo completamente deformado. Ah, sim, ele consegue jogar parte da cera de seu corpo nos inimigos, mas isso acaba até ficando em segundo plano.

3. Arremesso de bolas douradas

Se alguém te dissesse que alguém com o poder de atirar esferas douradas de seu corpo se tornasse fundamental para a ressurreição dos mutantes na Marvel, você até iria duvidar. Mas foi exatamente isso que aconteceu com Fabio Medina.

Continua após a publicidade

Embora não tivesse função nenhuma para os X-Men no começo da carreira, ele se tornou essencial na combinação de poderes com outros mutantes para os Protocolos de Ressurreição da Era Krakoana.

Mas, bem, como esse período está no fim, ele voltou a ser irrelevante.

2. Frequências de rádio telepáticas

Continua após a publicidade

Ulysses Solomon Archer, também conhecido como U.S. Archer, é um dos super-heróis mais estranhos da Marvel. Depois de sofrer ferimentos terríveis em um acidente de carro, a parte superior de sua cabeça foi substituída por uma liga experimental que lhe permitia captar certas frequências de rádio.

Também conhecido como “rádio humano”, não dá para saber que uso ele teria na era da Internet. A não ser que você esteja perdido na mata ou seja nostálgico, Archer não serve para nada.

1. Super umbigo

Continua após a publicidade

Fluff é um mutante com a capacidade extremamente nojenta de gerar e moldar fiapos no umbigo. Acho que não precisa dizer que ele não serviu absolutamente para nada e morreu rapidamente, deixando saudades em um total de zero pessoas.