Aniquilação: conheça a saga das HQs que pode inspirar os filmes da Marvel

Por Claudio Yuge | 18 de Outubro de 2020 às 11h00
Marvel Comics
Tudo sobre

Marvel

Saiba tudo sobre Marvel

Ver mais

A Marvel Comics sempre teve um “cantinho cósmico” interessante, principalmente devido ao talento de Jack Kirby, Jim Starlin, Stan Lee e outros no passado. Contudo, após os anos 1990, que foi uma década ingrata com todos os quadrinhos de super-heróis em geral, esse lado da editora ficou meio de lado, enquanto os Vingadores eram reformulados e estavam envolvidos em questões mais mundanas, como Guerra Civil.

Foi então que, em 2006, uma dupla britânica que já havia trabalhado junto em vários títulos de sucesso veio para salvar a lavoura e reacender o interesse do público. Dan Abnett e Andy Lanning se dão tão bem juntos que até mesmo têm um apelido: DnA. Eles aproveitaram toda a experiência do veterano Keith Giffen, que orquestrou a odisseia e deu aos mais jovens a chance de brilhar. E foi assim que nasceu a saga Aniquilação, que basicamente reuniu os principais heróis cósmicos e revitalizou as aventuras espaciais da Casa das Ideias.

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Essa trama foi tão importante que muitos de seus elementos se tornaram a base para que James Gunn pudesse criar sua versão dos Guardiões da Galáxia para o Universo Cinematográfico Marvel (MCU, na sigla em inglês). E não para por aí: ao que tudo indica, com a chegada de Nova, poderemos ver ainda mais inspirações dos quadrinhos nas telonas.

Mas do que se trata Aniquilação? E quem estava envolvido? Calma lá que o Canaltech conta para você logo abaixo.

Caminho para a Aniquilação

Antes de, efetivamente, chegarmos à saga principal, é preciso listar aqui a preparação para que ela acontecesse. Isso porque, como essa canto cósmico estava renascendo, a Marvel preferiu lançar tudo em formato de minisséries, em vez de espalhar um crossover em dezenas de títulos mensais — que é seu modus operandi padrão.

Inicialmente, um prólogo assinado por Keith Giffen, Scott Kolins, Ariel Olivetti e June Chung trouxe de volta o Annihilus, um clássico vilão do Quarteto Fantástico. Na história, ele lidera uma armada de soldados insetóides vorazes através do ponto focal entre o Universo Marvel e a Zona Negativa. Apelidados de "Onda de Aniquilação", os invasores devastam tudo em seu caminho, incluindo o planeta Xandar e a Tropa Nova. Apena o Nova humano, Richard Rider, sobrevive.

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

A partir daí a história se dividiu em quatro minisséries, que colocaram vários outros personagens importantes na jogada. A dupla DnA ficou responsável por mostrar os passos seguintes de um enfurecido e mais poderoso Nova, que herdou toda energia da Tropa Nova e buscou a aliança de Drax, o Destruidor.

Giffen e Chung ficaram responsáveis pela trama do Surfista Prateado, que lidera seus companheiros ex-arautos de Galactus justamente para proteger seu mestre e evitar que o Poder Cósmico caísse nas mãos dos inimigos. O escritor Javier Grillo-Marxuach e o ilustrador Gregory Titus mostraram os esforços do Super-Skrull e o Império Skrull contra a Onda de Aniquilação.

E na última minissérie, escritor Simon Furman se juntou ao ilustrador Jorge Lucas para contar a história de Ronan, o Acusador, enfrentando alegações de traição por parte dos Kree, antes de se juntar a Gamora.

Super Nova e a Aniquilação

Em seguida veio a minissérie principal, comandada por Keith Giffen, em que o agora Super Nova lidera uma resistência contra o poder esmagador da Onda de Aniquilação. Esse grupo conta com Gamora, Drax e Peter Quill, que, nesta época, era bem diferente do Senhor das Estrelas que apareceu no filme Guardiões da Galáxia. Aliás, esta equipe não era formada por esses três citados — isso é algo que o longa de Gunn realmente mudou nos quadrinhos. De qualquer forma, o diretor foi bastante inspirado pelo que aconteceu por aqui.

Bem, voltando… Em uma subtrama, vemos a transformação de Phyla-Vell como a nova Quasar, ao herdar os braceletes quânticos de Wendell Vaughn. E, em meio a tudo isso, é revelado que Thanos havia feito uma aliança com Annihilus para atacar e vencer Galactus e o Surfista Prateado. O vilão consegue dizimar o grupo liderado pelo Super Nova — e, assim como vimos em Guardiões da Galáxia, Drax promete matar Thanos pessoalmente.

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

No final, Annihilus é surpreendido pela traição de Thanos, que acaba morto pelas mãos de Drax. Um renascido Galactus libera seu Poder Cósmico para obliterar a maior parte da Onda de Aniquilação e, com seu poder minado, Annihilus enfrenta Nova. A luta coloca o herói em desvantagem, mas, com a ajuda de Quasar e dos braceletes quânticos roubados do próprio vilão, ele destrói Annihilus.

O que aconteceu após Aniquilação?

Um epílogo chamado de Os Arautos de Galactus, que deu a Nova e ao próprio canto cósmico da Marvel um frescor e mais possibilidade, algo que não se via há anos, especialmente quando a editora passou a se dedicar mais para as tramas ligadas à Saga do Infinito. Com Aniquilação, todos os principais personagens espaciais ganharam motivações e coadjuvantes atualizados.

Imagem: Reprodução/Marvel Comics

O evento foi tão bem-sucedido que a Marvel Comics repetiu a dose um ano depois, com Aniquilação: Conquista, que trouxe de volta Adam Warlock. E, aí sim, vimos uma formação moderna dos Guardiões da Galáxia que realmente se aproxima mais da inspiração de James Gunn para seu filme na Marvel. E, ao que o próprio Gunn já comentou e com o que vimos em Capitã Marvel, parece que Aniquilação terá mais importância ainda nos próximos anos, especialmente com a chegada de Nova, Galactus e o Surfista Prateado ao MCU.

O jeito é aguardar e esperar que esses personagens e essa história também aparecem com a mesma grandeza nos cinemas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.