Review Edifier W100T | O melhor custo-benefício da Edifier?

Por Bruno Bertonzin | Editado por Léo Müller | 06 de Maio de 2022 às 17h43
Ivo Meneghel Jr/ Canaltech

O Edifier Edifier W100T é mais um modelo de fone de ouvido acessível da fabricante estadunidense. Popular por entregar um som de qualidade em várias categorias, a marca se destaca entre as concorrentes no segmento de fones TWS.

Mas será que o W100T é mais um dos modelos que pode atrair pelo custo-benefício ou ele se perde entre as diversas opções disponíveis no mercado?

Eu testei o acessório por algumas semanas e trago, nesta análise, a minha opinião completa sobre ele, com seus altos e baixos e, principalmente, um veredito: vale a pena ou não comprar os earbuds baratinhos da Edifier?

Prós

  • Áudio equilibrado
  • Certificação IP54
  • Bateria de boa duração
  • Design confortável

Contras

  • Volume um pouco baixo

Design e Construção

Para começar, o Edifier W100T segue o design que não dá margens para erros: ele tem suas pontas sem borrachas de silicone — que faz com que ele não ofereça tanto isolamento passivo de ruído — mas que entrega um uso bem confortável e agradável, mesmo após horas de uso.

Por fora, ele tem uma haste comprida com o logo da marca no lado externo e, logo na extremidade, uma pequena luz que indica quando o acessório pode ser pareado com o smartphone. Na mesma região, encontramos o sensor de gestos do fone, que permite controlar a reprodução ou atender/recusar uma chamada.

O par de fones de ouvido é disponibilizado em duas opções de cor: cinza escuro, que combina esta cor com detalhes preto na ponta da haste e do buds; e branco, que segue essa coloração em toda a sua estrutura. Eu recebi para análises a unidade cinza e gostei bastante do visual.

Outro ponto positivo é que ele tem certificação IP54 de resistência contra poeira e água. Isso quer dizer que os fones de ouvido podem ser utilizados durante a prática de exercícios físicos intensos que eles vão aguentar bem o suor. No entanto, é claro, eles não podem ser submersos em água.

Edifier W100T tem design confortável e leve (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

O estojo de carregamento foi o que eu mais gostei no kit: ele é leve e discreto — perfeito para colocar no bolso pequeno de uma calça jeans ou para ficar quase imperceptível nos bolsos maiores. Ele tem um design meio quadrado com as bordas arredondadas, o tipo que mantém os fones em pé dentro da case.

Sua tampa tem encaixe magnético — como quase todo modelo de fone TWS — e isso ajuda a manter os buds bem presos lá dentro.

Outro ponto importante de destacar é que o carregamento do estojo é com USB-C, o que é bom para evitar que você ande com vários tipos de cabos em uma viagem, por exemplo, já que este é o padrão mais adotado em diversos tipos de dispositivos mais atuais.

Qualidade de som

O Edifier W100T preza bastante pelo equilíbrio sonoro, mas sem deixar de destacar bem cada frequência. Isso quer dizer que, ao reproduzir músicas, você vai notar que graves, médios e agudos recebem a atenção necessária para entregar uma sonoridade muito confortável.

Os graves são bem encorpados e a definição dos médios e agudos é bem clara, o que torna o modelo uma excelente opção entre possíveis concorrentes no mercado de fones de ouvido de entrada.

Em músicas de rock, como Youth Gone Wild, do Skid Row, dá para notar bastante esse equilíbrio e os sons de baixos e bumbos são ouvidos em harmonia com as demais frequências.

É importante destacar que o W100T não conta com codec aptX. Em vez disso, ele aposta no codec SBC. Destaco isso porque até modelos mais básicos — mesmo da Edifier, como o X3 USB-C — conta com o aptX 5.0 da Qualcomm.

Sonoridade do Edifier W100T é equilibrada e agradável (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

O som não é muito alto, então mesmo se você ouvir músicas no nível máximo terá um bom conforto e quase nenhuma perda de qualidade, sem graves estourados ou agudos estridentes.

Como é de se esperar em um modelo acessível, ele não tem cancelamento de ruído ativo, mas a Edifier compensa com o Modo Jogo, que reduz bastante a latência e entrega um som quase sem atrasos — o ideal não só para jogar, como também para assistir filmes ou séries em plataformas de streaming.

Diferente de outros modelos até da própria Edifier, no entanto, esse recurso não muda a equalização. Em alguns fones, além de reduzir a latência, o Modo Jogo costuma aumentar a presença de graves para destacar sons de tiros ou explosões, por exemplo, mas não notei nada do tipo durante a análise.

Bateria e conectividade

O pareamento inicial do Edifier W100T é bem simples e não depende de um aplicativo para auxiliar durante a conexão. Por um lado isso é bom, pois torna tudo mais simples e prático. Basta removê-los do estojo e ir até as configurações de Bluetooth do celular para concluir a conexão.

Por outro lado, pode limitar um pouco as possibilidades de configurações, além de impedir de verificar o nível exato de bateria dos buds e da case. Mas isso não chega a ser exatamente um problema, já que estamos falando de um modelo de entrada.

A duração da bateria foi além das minhas expectativas. A Edifier promete que ele dura até sete horas com uma única carga e que essa estimativa pode chegar a 28 horas com a bateria do estojo.

Edifier W100T oferece bateria para sete horas de duração (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

Aqui, eu testei o par de fones de ouvido com reprodução de música no Spotify com qualidade de streaming alta e nível de volume ajustado no médio. Neste cenário, a duração foi de aproximadamente sete horas e meia. É claro que esse número pode variar conforme o volume ou outros aspectos da reprodução, mas já foi uma boa marca para a categoria.

Controles por toques

O Edifier W100T possui um sensor de toque na parte superior de cada lado que permite controlar algumas funções. Na ausência de modos avançados de reprodução, no entanto, os comandos são bem básicos — não há controle de volume ou para retroceder uma faixa.

  • Dois toques em qualquer lado: pausa ou retoma a reprodução / atende ou finaliza uma ligação
  • Três toques no lado esquerdo: ativa ou desativa o Modo Jogo
  • Três toques no lado direito: avança para a próxima faixa
  • Manter pressionado qualquer lado por 3 segundos: aciona o assistente no celular / rejeita uma chamada

Ficha técnica

  • Peso: 4g (cada lado) + 30g (estojo)
  • Drivers dinâmicos de 13 mm;
  • Controles de toque;
  • Resistência a respingos de água (IP54);
  • Bateria para até 7 horas com a carga só dos buds ou até 28 horas com o estojo de recarga;
  • Bluetooth 5.1.

Acessórios

O kit do Edifier W100 é bem simples e traz apenas o necessário — e de forma bem básica. Nele, além do manual e guia de uso, temos apenas um cabo USB-C para carregamento.

O acessório, como de costume, é bem pequeno. Com cerca de 30 centímetros, vai ser tranquilo carregar a bateria do estojo em uma porta USB do notebook, mas fica um pouco complicado se quiser utilizar um adaptador para levar à tomada.

Concorrentes Diretos

O mercado de fones de ouvido Bluetooth baratos está repleto de modelos, mas sempre gosto de comentar sobre algumas alternativas que se destacam na multidão. O Edifier W100T certamente entra para essa lista e divide o território com seu “irmão”, o Edifier X3, e com o Moto Buds 100 e Realme Buds Q2.

Todos esses são modelos baratos com um bom custo-benefício. Alguns se destacam por algumas características bem específicas, então vou falar brevemente de cada um deles.

O Edifier X3 “brilha” por oferecer um áudio bem limpo e balanceado. A presença do codec aptX 5.0 da Qualcomm também torna ele uma excelente opção. Ele tem um pouco menos de autonomia e ficou ali na casa das cinco horas nos nossos testes — apesar de a marca prometer seis.

Já o Moto Buds 100 é o grande rei de bateria. Quando testei ele pude ouvir músicas por quase dez horas com uma única carga — uma marca surpreendente para um fone TWS. O som também é equilibrado, mas com leve destaque para agudos.

Edifier W100T se destaca entre os concorrentes com um áudio mais balanceado (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

O Realme Buds Q2, por sua vez, é um modelo barato que surpreende pelos graves bem encorpados. Mesmo no modo de reprodução comum é possível ver que a chinesa trabalhou bem com os drivers para destacar as frequências mais baixas. A bateria também não é das melhores, mas não chega a ser ruim e ele durou cerca de cinco horas nos meus testes.

A escolha entre os três, portanto, dependerá mais de quais são as suas prioridades. Eu, por exemplo, curto sons com graves bem destacados e o Realme me atendeu legal nessa questão. Em compensação, o equilíbrio sonoro dos dois Edifiers pode atrair a parcela de usuários que busca um som mais balanceado.

Ah, e é claro que o preço também conta bastante nessas horas e o Edifier W100T e X3 se destacam nesse aspecto, já que custam entre R$ 100 e R$ 200. O Realme Buds Q2 é um pouco mais caro e é vendido de R$ 200 a R$ 300, assim como o Moto Buds 100.

Edifier W100T é o melhor custo-benefício da marca?

O Edifier W100T é um ótimo modelo dentro de sua categoria. Com um preço bem acessível, ele entrega uma boa qualidade sonora, com áudio equilibrado e graves acentuados na medida certa, sem deixar de dar destaque para frequências mais altas.

Ele também oferece uma boa duração de bateria. A marca promete sete horas de duração, e aqui eu passei um pouco dessa marca, chegando a cerca de sete horas e vinte minutos. Está dentro do esperado e já é uma boa média para a categoria — a menos que dê preferência para a autonomia maior do Moto Buds 100, que chega a quase dez horas.

Edifier W100T é uma ótima opção para quem busca um fone de ouvido bom e barato (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

O design do fone não dá margens para erro e ele é bem confortável. Mesmo após horas de uso quase não dá para notar que tem algo no ouvido, então é um ponto para a Edifier. Sem contar na resistência IP54, que permite usar o acessório enquanto pratica atividades físicas mais intensas.

Apesar de o áudio não ser dos melhores — afinal, falamos de um modelo de entrada — ele certamente entra para a minha lista dos melhores fones de ouvido baratos.