Magalu compra plataforma de cursos online focados em e-commerce e performance

Por Rui Maciel | 15 de Outubro de 2020 às 20h50
Divulgação/Magazine Luiza
Tudo sobre

Magazine Luiza

Saiba tudo sobre Magazine Luiza

Ver mais

O Magazine Luiza anunciou nesta quinta-feira (15) a compra da ComSchool, plataforma de cursos voltados para e-commerce e performance digital. Em comunicado, a rede varejista afirmou que a aquisição é mais um passo da companhia na digitalização do varejo brasileiro.

Ainda de acordo com a companhia, a aquisição tem como objetivo oferecer mais oportunidades de conhecimento e capacitação sobre o mercado online a milhares de pessoas e empresas. A ComSchool oferece mais de 200 cursos nas áreas de Marketing Digital, e-commerce, Redes Sociais e Comportamentos na Era Digital. Todos eles podem ser realizados na modalidade online, com aulas ao vivo ou presenciais, em São Paulo e em mais sete cidades do país. Desde a sua fundação, em 2008, a ComSchool já capacitou mais de 85 mil alunos.

Capacitação do seu marketplace

Um dos alvos do Magalu com a compra da ComSchool são as pequenas empresas que fazem parte do seu marketplace. Com isso, a ComSchool oferecerá aos vendedores da plataforma acesso a cursos desenvolvidos especialmente para as suas necessidades. A ideia é capacitá-los em ferramentas digitais, com o objetivo de gerir melhor seus negócios online, vender mais e oferecer uma melhor experiência aos consumidores.

Além disso, empreendedores com operações ainda analógicas poderão aprender sobre e-commerce e ferramentas online, acelerando o processo de transformação digital dessas empresas. O Magalu afirma que os cursos permitirão que profissionais estejam cada vez mais preparados para as oportunidades trazidas pela tecnologia, com e acelerem o desenvolvimento desse mercado no país. Além disso, eles também poderão também fazer parte da equipe da companhia.

Recentemente, o Magalu adquiriu as startups AiQFome, Hubsales e Stoq, a plataforma de mídia da Inloco e o site de notícias de tecnologia Canaltech. A realização desses negócios -- todos integrados à estratégia de formação de um ecossistema digital -- estava prevista desde o follow-on realizado pela companhia em novembro do ano passado, quando foram levantados 4,2 bilhões de reais para suportar metas de crescimento exponencial.

"Mais do que executar nossa estratégia, acreditamos que estamos contribuindo para fortalecer o ambiente de inovação do país, formado principalmente por startups", afirma Roberto Bellissimo Rodrigues, CFO da rede varejista. "Negócios como esse mostram ao mercado que há oportunidade de saída para os empreendedores e de ganho de escala para essas empresas."

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.