É preciso mudar o mindset para inovar

Por Colaborador externo | 20 de Outubro de 2019 às 08h15

*Por Guilherme Stefanini

“A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original”. Essa célebre frase de Albert Einstein é uma inspiração para todos que seguem o sonho de fazer sempre o melhor, de se transformar independente do setor. Prova disso é o movimento que o segmento imobiliário vem vivenciando nos últimos anos. Embora tenha entrado no processo de transformação digital um pouco depois de algumas indústrias, o setor tem feito bem sua lição de casa para aperfeiçoar e desenvolver novos modelos de negócios.

Num evento em que participei recentemente para discutir inovação neste mercado, fiquei surpreso com a mobilização das empresas para acompanhar as tendências e investir em projetos em que buscam aperfeiçoar o relacionamento com o cliente, ou seja, colocá-lo como o grande protagonista do início ao fim. E para isso, as novas tecnologias são apenas um meio. O principal desafio está na mudança de mindset, na compreensão da liderança sobre o que é a transformação digital, que ela chegará de qualquer maneira e como promovê-la de acordo com o perfil e o momento atual da corporação.

A cultura é fundamental e não somente tem a ver com tecnologia; inovação é buscar atender melhor o cliente, seja melhorando os processos que já existem ou desenvolvendo coisas novas para ele. O trabalho de aculturamento é fundamental, assim como a integração de toda a cadeia (incorporação, construção e loteamentos) para gerar valor agregado.

Se não é possível uma solução que atenda a todos os problemas de uma vez, que tal promover uma evolução por etapas? Esta é uma dica que sempre dou para vários segmentos, inclusive para as empresas do setor imobiliário. A primeira coisa é entender qual é o principal desafio: é adquirir mais clientes, gastar menos na obra, otimizar o tempo no processo… sobre o que estamos trabalhando?”. No final de cada dia de trabalho, a inovação deve gerar resultado, do contrário a empresa está investindo esforços em uma solução que serve muito mais a ela do que ao próprio cliente na ponta.

E para auxiliar neste novo posicionamento, algumas tecnologias são vistas como promissoras no setor imobiliário, como o Blockchain, que pode auxiliar na parte documental e de registro dos imóveis; a Inteligência Artificial, que atua desde o início da interação com o cliente, reconhecimento de imagens e acompanhamento das obras, além de promover análises sobre a região em que se pretende lançar um imóvel, comportamento dos moradores, pontos mais interessantes para iniciar um empreendimento, análise do mercado e definição de preços.

Com o desenvolvimento dos projetos de IoT, tudo pode ser sensorizado – da automação do elevador aos sistemas de energia. Cada vez mais, as tecnologias estarão disponíveis em nuvem, no modelo as a service, para que as empresas ou clientes paguem de acordo com o uso. Dessa forma, pode-se começar pequeno e avançar, conforme a necessidade ou crescimento do negócio, refletindo também os novos hábitos de consumo por moradias mais flexíveis.

E para acompanhar a dinâmica da economia, as startups têm um papel fundamental. Elas estão revolucionando várias áreas de negócios porque agem rápido e com foco no usuário, oferecendo novos modelos e oportunidades para acompanhar a onda de inovação no setor imobiliário – multipropriedade, coworking, coliving, student house e senior living. Na era da colaboração, o segredo do sucesso é se associar a parceiros que permitam trazer novas visões, ensinar, trocar, desenvolver novas skills, cocriar e fazer sempre melhor.

*Guilherme Stefanini é diretor de novos negócios da Stefanini. É responsável pelas ventures do Grupo Stefanini, 5ª empresa mais internacionalizada segundo ranking da Fundação Dom Cabral.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.