Dona da 99, Didi Chuxing pode fazer o maior IPO de 2021

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 11 de Junho de 2021 às 22h40
Divulgação/Didi Chuxing

Dona do aplicativo 99 no Brasil, a empresa chinesa Didi Chuxing pode realizar em breve o que promete ser a maior oferta pública inicial (IPO) de ações de 2021. A empresa divulgou na última quinta-feira (11) que realizou o pedido para entrar na Bolsa de Valores dos Estados Unidos, transação com possibilidade de gerar uma avaliação total entre US$ 70 bilhões a US$ 100 bilhões.

Conhecida formalmente como Xiaoju Kuaizhi Inc., a Didi foi criada em 2021 pelos sócios Cheng Wei e Jean Liu e atualmente possui mais de 493 milhões de usuários ativos espalhados por 15 países. A companhia se tornou a líder no mercado de caronas pagas na China em 2016, quando comprou as operações da Uber no país — somente por lá, ela conta com 377 milhões de usuários ativos de seus aplicativos e 13 milhões de motoristas credenciados.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Divulgação/Didi Chuxing

Segundo a companhia, o montante arrecadado com a oferta inicial de ações deve ser usado para investir em tecnologias e continuar sua expansão em outros territórios, o que inclui o lançamento de novos produtos. O maior investidor individual da empresa é corporação multinacional japonesa de telecomunicações e internet SoftBank que, com participação de 21,5% dos negócios, pode ter um grande retorno sobre os aproximadamente US$ 11 bilhões que já investiu no negócio.

Outros acionistas de renome são a Uber Technologies, com 12,8% de cotas, e a Tencent Holding, que possui 6,8% de participação. A Apple também chegou a investir US$ 1 bilhão na Didi e possui um de seus membros no quadro de diretores, mas não é listada como uma das acionistas no pedido feito para iniciar a oferta dos papeis.

Apesar de ter reportado perdas em 2020 como resultado da pandemia do COVID-19, a organização está registrando bons resultados em 2021 graças à reabertura da economia chinesa. No primeiro trimestre fiscal deste ano ela registrou US$ 837 milhões em lucros líquidos, com vendas totais que chegaram a US$ 6,4 bilhões.

Fonte: Nikkei Asia

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.