Didi Chuxing, a "Uber chinesa", inicia testes de piloto automático em Xangai

Por Se Hyeon Oh | 02 de Setembro de 2019 às 09h48
Didi Chuxing

O mercado de carros autônomos está em constante alta, recebendo investimentos de grandes empresas como GM, Waymo, Tesla e até mesmo a Apple. Nesse sentido, a China, que é um dos maiores pólos tecnológicos do mundo, não poderia ficar de fora. Prova disso é a Didi Chuxing, a “Uber chinesa", que revelou estar iniciando os testes de piloto automático em Xangai.

A empresa obteve permissão do governo local para testar veículos autônomos em vias públicas do distrito de Jiading. Apesar dessa limitação, a Didi estaria trabalhando para aumentar a área de testes até o ano de 2021.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Durante o período de testes, a empresa estaria planejando testar 30 modelos diferentes de veículos autônomos L4. Vale notar, ainda, que a sigla é utilizada no mercado de carros autônomos para indicar que os veículos conseguem transitar sem qualquer intervenção humana dentro de uma área geográfica predefinida.

A ideia inicial dos testes envolveria a solicitação de corrida por parte dos usuários do Didi Chuxing, de forma que as pessoas terão a opção de chamar um carro autônomo para levá-las até os seus respectivos destinos. Apesar de os veículos terem a capacidade de operar sem nenhum motorista a bordo, muito provavelmente haverá, sim, uma pessoa para os casos de emergência.

Um detalhe a ser levado em consideração é que mesmo a Didi Chuxing não sendo muito conhecida aqui no Brasil, ela vem ganhando grande notoriedade no que diz respeito ao mercado de mobilidade. Em 2016, ela já estava disputando com a Uber pelo domínio do mercado de aplicativos de transporte na China, conseguindo captar mais de US$ 1 bilhão de investimento da Apple. Com o passar do tempo, a chinesa acabou ganhando força nessa disputa e forçou o então CEO da Uber, Travis Kalanick, a vender os negócios da empresa em troca de uma participação de 17,7% na Didi, além de uma cadeira no conselho da sua rival.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.