CEO do Uber diz que pode fechar operações na Califórnia

Por Stephanie Kohn | 12 de Agosto de 2020 às 16h44
GettyImages
Tudo sobre

Uber

Saiba tudo sobre Uber

Ver mais

O Uber disse que será forçado a encerrar suas operações na Califórnia (Estados Unidos), caso uma decisão judicial a impeça de classificar seus motoristas como terceirizados. Nesta segunda-feira (10), um juiz da Califórnia concedeu um pedido de liminar do estado que impede a Uber e a Lyft de categorizar seus motoristas como contratados independentes em vez de empregados.

Uber e Lyft são acusados ​​de violar o Assembly Bill 5 (“AB5”), que entrou em vigor em 1º de janeiro deste ano. Trata-se de uma nova lei estadual que exige que as empresas considerem os trabalhadores como empregados, caso elas controlem a maneira como eles realizam suas tarefas ou caso o trabalho faça parte do cotidiano de seu principal negócio .

"Na Califórnia nós mudamos nosso modelo substancialmente. Por exemplo: os passageiros pagam os passeios diretamente, os motoristas podem definir seu próprio preço, assim como um contratado independente faria, ele têm toda flexibilidade para aceitar ou não uma corrida. Então, achamos que cumprimos as leis, mas se o juíz e a corte acharem que não cumprimos, e não nos derem tempo, teremos de fechar o Uber até novembro", disse o presidente-executivo, Dara Khosrowshahi, à MSNBC nesta quarta-feira (12).

O executivo ainda comentou que a paralisação das operações da companhia no Estado prejudicaria irreparavelmente o Uber e as pessoas que dependem de suas operações para gerar receita.

Dara Khosrowshahi, CEO do Uber. Imagem: reprodução Canaltech

Decisão

A decisão emitida pelo juiz Schulman tem 34 páginas e acusa a “recusa prolongada e descarada” das empresas perdedoras de cumprir a lei estadual. O magistrado disse ainda que os demandantes possuem uma “probabilidade esmagadora” de poderem provar que motoristas são classificados pelo Uber e Lyft ilegalmente. O juiz atrasou o cumprimento de sua ordem em 10 dias para permitir os recursos por parte dos acusados. Ambas empresas afirmaram que recorrerá.

“Esta é uma vitória retumbante para milhares de motoristas do Uber e Lyft que estão trabalhando duro - e, nesta pandemia, correndo riscos todos os dias - para sustentar suas famílias”, disse o procurador da cidade de Los Angeles Mike Feuer em um comunicado.

Fonte: Reuters e MSNBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.