Analista explica por que é quase impossível a Apple tirar sua produção da China

Por Rafael Rodrigues da Silva | 28 de Novembro de 2018 às 11h58
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Com a recente guerra fiscal entre os Estados Unidos e a China promovida pelo presidente Donald Trump, umas da empresas que mais vem sofrendo é a Apple, já que todos os aparelhos da marca são fabricados no país asiático e entram nos EUA como produtos importados. E esse problema só deve ser amplificado no futuro próximo, já que nesta segunda-feira (26) o presidente Trump sugeriu, em uma entrevista ao The Wall Street Journal, que poderá aumentar em 10% os impostos de importação para notebooks e smartphones.

A sugestão do aumento de impostos é apenas uma das formas que Trump tem usado para pressionar a empresa a transferir sua linha de produção de iPhones e MacBooks para os Estados Unidos. Mas, de acordo com Gene Munster, sócio da empresa de investimentos Loup Ventures, essa mudança não é assim tão simples de ser efetuada.

Em entrevista à NBC, Munster se disse surpreso pela declaração de Trump, alegando que Tim Cook, CEO da Apple, tem se esforçado muito para agradar o presidente. Questionado se Trump poderia forçar tanto que a empresa se veria obrigada a se mudar para os Estados Unidos, Munster deu uma resposta categórica: é mais fácil tirar a Lua de nossa órbita do que fazer com que a Apple transfira toda sua linha de produção da China para os Estados Unidos.

Ainda que seja fácil para Trump ficar falando que os preços dos iPhones irão aumentar se a empresa não construir fábricas nos Estados Unidos, seria bem complicado para a Apple fazer essa transferência de localidades, que, segundo Munster, equivaleria a um plano que precisaria de pelo menos cinco anos para ser concretizado, e alguns bilhões de dólares precisariam ser investidos na criação de fábricas dentro dos EUA para atenderem à demanda de cerca de um milhão de funcionários que trabalham para a Maçã na China.

Fora todo esse gasto, a mudança não refletiria em uma diminuição no preço dos iPhones. Devido às diferenças entre salário mínimo e leis trabalhistas dos países, é muito mais caro para a Apple produzir dentro dos Estados Unidos do que contratar uma terceirizada chinesa para efetuar a montagem de seus iPhones. Além disso, a empresa precisaria continuar importando os componentes para montagem, já que uma fábrica dos Estados Unidos seria apenas uma linha de montagem dos iPhones, e componentes como telas e processadores (que hoje são produzidos pelas mesmas terceirizadas que montam os iPhones) precisariam ser importados, o que também serviria para aumentar o preço de custo de cada aparelho.

De acordo com uma estimativa divulgada em setembro pelo Bank of America, se a Apple mudasse apenas 10% de toda sua produção para os Estados Unidos, isso teria um reflexo de um aumento de cerca de 9% no preço dos aparelhos, enquanto uma mudança de toda a linha criaria um aumento de preço de mais de 20% — e isso sem considerar os custos de implementação das fábricas.

Fonte: CNBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.