Google ofereceu US$ 10 bilhões pelo WhatsApp

Por Redação | 20.02.2014 às 12:30

A aquisição do WhatsApp pelo Facebook por US$ 16 bilhões, transação anunciada nesta quarta-feira (19), não foi a única proposta de compra que a empresa responsável pelo serviço de troca de mensagens mais popular da Internet havia recebido. De acordo com a revista Fortune, o Google se ofereceu para comprar o WhatsApp por US$ 10 bilhões. A publicação cita duas fontes diferentes e ambas confirmam o interesse da gigante da web pelo serviço, agora do Facebook.

O relato da publicação, segundo o The Verge, não confirma quando o Google tentou viabilizar o negócio. A oferta do dono do Android veio, ainda segundo os relatos da Fortune, sem a promessa de que os criadores do WhatsApp teriam assento no conselho do Google, ao contrário do acordo do Facebook, que envolveu ainda o fornecimento de ações da empresa além do repasse em dinheiro.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, propôs a compra do WhatsApp a Jan Koum, CEO do serviço de mensagens, no último dia 9 de fevereiro. O acordo acabou finalizado apenas poucos dias depois. O Business Insider relata que Koum visitou a casa de Zuckerberg no dia dos namorados, chegando a interromper um jantar privado, e fechou negócio naquela ocasião, antes mesmo de finalizar os detalhes e preços.

Koum vai assumir um lugar no conselho da Facebook, e prometeu que “nada” vai mudar para os usuários do WhatsApp, ao menos imediatamente. O Facebook planeja executar o WhatsApp de forma independente, nos mesmos moldes do Instagram – adquirido pelo Facebook em 2012 por US$ 1 bilhão. O WhatsApp é usado por mais de 450 milhões de pessoas. Seu rápido crescimento, não por acaso, chamou a atenção do Facebook e do Google.

Em 2013, o Facebook chegou a anunciar uma repaginada do Facebook Messenger, como forma de tentar competir melhor com outros serviços de mensagens instantâneas, entre eles o próprio WhatsApp.