Billboard passa a considerar views do YouTube ao rankear os álbuns mais ouvidos

Por Nathan Vieira | 16 de Dezembro de 2019 às 21h20

No último fim de semana, a Billboard anunciou uma novidade na forma de rankear os álbuns que integram o famoso Billboard 200, cuja premissa é trazer à tona os mais ouvidos de cada semana. Agora, streams de plataformas de vídeo (como o YouTube, por exemplo), farão parte da contabilização. Outras plataformas também entram na contagem, incluindo Apple, Spotify e Tidal. As paradas da Billboard são historicamente vistas como um termômetro de sucesso na indústria da música. Os rankings são feitos com base nos dados fornecidos pela Nielsen SoundScan.

É válido perceber que essas alterações entram em vigor nos gráficos de 18 de janeiro de 2020, que refletem as vendas e as visualizações do período de 3 a 9 de janeiro. "Nosso objetivo é refletir com precisão as mudanças no cenário da música", afirmou Deanna Brown, presidente da Billboard-The Hollywood Reporter Media Group. "Nossa decisão de adicionar o YouTube e outros dados de streaming de vídeo às paradas de álbuns reflete a evolução contínua do mercado de consumo de música e as razões pelas quais os consumidores se conectam ao conteúdo relacionado ao álbum", acrescentou.

Por sua vez, Lyor Cohen, diretor global de música do YouTube, chamou as mudanças de "um momento muito importante para tornar uma representação mais precisa do que as pessoas estão ouvindo" e declarou o seguinte: "Gêneros como latino, hip-hop e eletrônico, que dominam consistentemente as paradas do YouTube, agora serão reconhecidos adequadamente por sua popularidade. Esse é outro grande passo para reunir o YouTube e o setor, e somos muito gratos à Billboard e o negócio da música em geral por fazer essa adição".

Agora, streams de plataformas de vídeo (como o YouTube, por exemplo), farão parte da contabilização do Billboard 200

Desde 2014, dados de streaming e downloads digitais já entram na fórmula do Billboard 200. A diferença, agora, será a soma também de streams de vídeo no ranking mais importante da Billboard. Desde 2013 a empresa já conta visualizações do YouTube para outros de seus rankings, como o Hot 100, que funciona como uma parada de canções de sucesso. Essa novidade visa considerar “apenas conteúdo de vídeo licenciado oficial enviado por ou em nome de titulares de direitos”, com a intenção de evitar qualquer potencial manipulação de números de streaming.

"Com o vídeo representando uma proporção cada vez maior do consumo de música em algumas das maiores plataformas do mundo, a inclusão geral do YouTube e vídeo ao Billboard 200, bem como a classificação de outros gêneros, é o próximo avanço natural para as paradas de álbuns", concluiu Silvio Pietroluongo, vice-presidente sênior de gráficos e desenvolvimento de dados da Billboard.

Fonte: Billboard

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.