Vendas da Apple no 4º trimestre de 2017 superam Samsung; Xiaomi cresce 97%

Por Redação | 02 de Fevereiro de 2018 às 15h57
Tudo sobre

Xiaomi

Apple em primeiro, Samsung em segundo. No mercado de smartphones, as duas gigantes brigam pelas primeiras posições a cada trimestre, e a disputa se confirmou com a entrega dos balanços de 2017. Mas surgiu uma surpresa: a Xiaomi.

O relatório da IDC (International Data Corporation) confirmou que a Apple fechou o quarto trimestre de 2017 em primeiro lugar tanto em encomendas de smartphones como na divisão de mercado: foram 77,3 milhões de aparelhos vendidos em todo o mundo, o que dá para Cupertino uma fatia de 19,2% do mercado.

Já a Samsung ficou em segundo com 74,1 milhões de encomendas e 18,4% do mercado. Na sequência, aparecem Huawei (41 milhões de remessas e 10,2% de mercado) e a grande surpresa, a Xiaomi. O que impressiona é o crescimento da empresa chinesa: 96,9% do quarto trimestre de 2016 para 2017, o que a tirou da oitava posição e a levou para o quarto lugar do ranking.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A Xiaomi, aliás, apresenta números incríveis: 28,1 milhões de remessas, que representam uma fatia de 7% do mercado. Das três primeiras do ranking, ela foi a única que experimentou crescimento. Apple (-1,3%), Samsung (-4,4%) e Huawei (-9,7%) tiveram quedas nas encomendas de celulares na comparação dos trimestres.

Os resultados acompanharam a queda de remessas em todo o mundo. Foram enviados no quarto trimestre 403,5 milhões de aparelhos, uma baixa de 6,3% na comparação com a parte final de 2016. Apple e Samsung conseguiram se manter abaixo da média.

A Apple lançou os iPhones 8/8+ e terminou o trimestre em primeiro lugar

Balanço anual

No relatório que analisa as vendas de todo o ano de 2017, o ranking mostra algumas inversões.

A Samsung ocupa o primeiro lugar, com 317,3 milhões de remessas, que lhe dão 21,6% do mercado. A sul-coreana teve uma alta de 1,9% em relação a 2016.

A Apple passa para a segunda colocação, com 215,8 milhões de celulares e 14,7% do mercado — a variação para 2016 foi mínima, de 0,2%.

A Huawei mantém a terceira posição global, com 153,1 milhões de encomendas e 10,4% do mercado, uma alta considerável na comparação com 2016, de 9,9%.

Já a quarta posição fica com a chinesa OPPO, que vendeu 111,8 milhões de aparelhos e detém 7,6% do mercado. A empresa também cresceu no ano a ano: 12%.

Ainda no alto da tabela, mas em quinto lugar, a Xiaomi mostra números que indicam um crescimento que pode assustar os primeiros colocados. A chinesa teve vendas de 92,4 milhões, que lhe dão 6,3% do mercado. O que impressiona é o crescimento anual: 74,5%, taxa que nenhuma outra companhia conseguiu atingir.

No total, as remessas ficaram estáveis na comparação anual: foram 1,472 bilhão em 2017 contra 1,473 bilhão em 2016, queda de 0,1%.

Com o Galaxy S8, a Samsung conseguiu o primeiro lugar no ranking anual

Política agressiva

O crescimento da Xiaomi se baseia na decisão da empresa de crescer fora da China. Índia e Rússia já surgem como bons mercados para a companhia, sem contar que a Indonésia começa a se tornar rapidamente um país com fortes vendas para a Xiaomi.

Lojas e centros de antedimentos exclusivos ajudaram na expansão e colaboraram para o resultado uma política agressiva de preços. O Redmi 5A foi lançado a US$ 78 (cerca de R$ 250), enquanto parcerias com operadoras permitem a entrega de graça de um smartphone no caso de compra de um pacote de dados.

A Apple cresceu por conta de seus três lançamentos: iPhone X, 8 e 8 Plus. Como a Samsung lançou o Galaxy S8 no início do ano, o resultado do quarto trimestre já era esperado.

Já a Huawei vai se segurando em terceiro lugar, mesmo com a competição, até este momento, da OPPO e da Vivo — agora, tem a Xiaomi no retrovisor. Entrar no mercado americano é a esperança de crescimento.

Fonte: GizChina

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.