TIM e Vivo têm compartilhamento de redes 3G e 4G aprovado pelo Cade

Por Alberto Rocha | 25 de Abril de 2020 às 15h00
EBC
Tudo sobre

TIM

Saiba tudo sobre TIM

Ver mais

Enquanto o 5G só tem estimativa de chegar ao Brasil somente em 2022, as teleoperadoras seguem investindo na ampliação de cobertura 3G/4G pelo país.

Na última quinta-feira (23), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão do governo federal que atua para garantir a livre concorrência entre empresas, autorizou o compartilhamento de redes entre a TIM e Vivo na faixa de 700 MHz em cidades com menos de 30 mil habitantes.

Com a medida, conhecida no mercado como RAN sharing, cerca de 800 municípios serão beneficiados e os clientes de uma operadora poderão utilizar a rede da concorrente quando a sua não tiver cobertura disponível na área. Além disso, TIM e Vivo também poderão compartilhar uma rede única 2G em 2.700 cidades para a utilização de dispositivos como maquininhas de cartão de crédito, por exemplo.

Claro tentou recorrer da aprovação

Antes da decisão do Cade, a Claro contestou a parceria alegando que isso poderia representar “concentração de mercado” e afetar a competitividade entre as principais teleoperadoras do país.

Contudo, de acordo com o Cade, assim como rejeitou o pedido da TIM para aprovar a compra da Nextel pela Claro, o órgão não viu como grave a negociação, uma vez que não envolve transação de ativos, além do escopo e a escala da medida estarem bem definidos.

Vale ressaltar que a parceria ainda depende da anuência da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e pode mais uma vez ser contestada pela Claro dentro do período de 15 dias.

Fonte: Telesíntese

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.