Tão caras quanto Twitter: 8 aquisições corporativas bilionárias dos últimos anos

Tão caras quanto Twitter: 8 aquisições corporativas bilionárias dos últimos anos

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 26 de Abril de 2022 às 16h20
Dmitry Demidko/Unsplash

A semana começou com o mundo corporativo bem agitado por conta da compra do Twitter por Elon Musk no valor de US$ 44 bilhões (R$ 218,42 bilhões, na conversão atual) — o que resultará na rede social se tornando uma empresa de capital fechado. Mas por mais surpreendente que essa movimentação seja, essas ocorrências estão cada vez virando mais comuns.

Segundo dados da plataforma financeira Dealogic, publicados no site Eu que Lucro, fusões e compras corporativas tiveram um aumento de 64% em relação a 2021, totalizando US$ 5,8 trilhões (R$ 28,7 trilhões) — com vários nomes de peso envolvidos nelas.

Com esse cenário em mente, listamos a seguir oito transações de aquisição no mundo corporativo que ocorreram nos últimos anos e movimentaram quantias equivalentes ou superiores à proposta de Elon Musk pelo Twitter. Confira:

Compra da WarnerMedia pela Discovery

A compra da Warner Media pela Discovery ocorreu em 2021, sendo uma das grandes movimentações do setor. (Imagem: Reprodução/AT&T)

Em 2021, a operadora de telecomunicações AT&T, na época proprietária da WarnerMedia, anunciou que a marca, que engloba CNN, HBO, DC Cartoon Network e outras, seria vendida para a Discovery, detentora do Discovery Channel e Food Network, por US$ 43 bilhões (R$ 213,4 bilhões). Agora, em 2022, a transação já começa a ser finalizada, como descrito no Canaltech.

S&P Global e IHS Markit

A S$P Global, empresa de dados financeiros, comprou a corporação do mesmo ramo IHS Markit por US$ 44 milhões (R$ 218,42 bilhões) em 2020, na maior transação daquele ano. Como resultado, a S&P Global virou uma das principais potências do ramo.

Compra da Reynolds pela British American Tobacco

Em 2017, a empresa britânica de cigarros British American Tobacco (BAT), responsável por marcas como Dunhill, também disponibilizados no Brasil, adquiriu a Reynols American, do mesmo ramo, por US$ 49,4 bilhões (R$ 245,23 bilhões) — o que resultou na fabricante britânica se tornando uma das maiores companhias do setor de tabaco do mundo.

Dell e EMC

Compra da EMC pela Dell em 2016 resultou em expansão do portfólio da fabricante de computadores. (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

Hoje em dia conhecida como Dell Technologies, em 2016 a empresa de computadores era somente chamada de Dell, e foi só após naquela época realizar a compra da fornecedora de servidores e softwares EMC por US$ 67 bilhões (R$ 332,5 bilhões), em uma das maiores transações do setor de tecnologia da história, que a empresa começou a atender pelo novo nome — representando a expansão de seu portfólio.

Compra da 20th Century Fox pela Disney

As piadas da Disney ser dona de tudo já existiam antes de 2019, mas se intensificaram ainda mais após a gigante do entretenimento ter comprado a 20th Century Fox por US$ 71,3 bilhões (R$ 353,9 bilhões) — expandindo infraestrutura de vários setores de mídia, como canais esportivos, a partir da operação da organização adquirida.

AB Inbev e SABMiller

Em 2016, a AB Inbex se tornou uma das maiores fabricantes de cervejas do mundo após adquirir a SABMiller em uma transação de US$ 104 bilhões (R$ 516,2 bilhões) — que resultou em marcas como Corona, Stella Artois e Budweiser sendo “irmãs” por parte de organização controladora.

Acordo entre Verizon e Vodafone pela Verizon Wireless

Quem mora fora do Brasil deve conhecer os serviços telefônicos da Verizon e sua unidade sem fio, a Verizon Wireless — mas essa última só passou a ser 100% da operadora em 2013, após a organização negociar com a Vodafone os 45% que ela detinha, resultando em uma transação de US$ 130 bilhões (R$ 645,3 bilhões).

Pfizer e Allergan

Pfizer em 2015 comprou a Allergan, fabricante do Botox. (Imagem: Divulgação/Pfizer)

Antes das vacinas da covid-19, a Pfizer já era um nome muito conhecido do mundo empresarial de saúde, principalmente por conta do Viagra - mas uma verdadeira consolidação de seu status foi iniciada em 2015, quando ela adquiriu a Allergan, fabricante do Botox, por US$ 160 bilhões (R$ 794,2 bilhões).

Fonte: Eu que Lucro

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.