SAIU O RESULTADO DO SORTEIO DO PRÊMIO CANALTECH!CONFERIR
Publicidade

PayPal 20 anos | Conheça a história da empresa de pagamentos online

Por| 21 de Dezembro de 2018 às 10h27

Link copiado!

PayPal 20 anos | Conheça a história da empresa de pagamentos online
PayPal 20 anos | Conheça a história da empresa de pagamentos online
Tudo sobre PayPal

Fundada em dezembro 1998 por Max Levchin, Peter Thiel, Luke Nosek e Ken Howrey, a PayPal celebra 20 anos de existência neste fim de ano. Para comemorar essas duas décadas de sucesso, preparamos um especial com uma breve linha do tempo para refrescar a sua memória e lembrar de como tudo começou.

Fundação

Em uma época em que ninguém imaginava que poderiam existir formas de efetuar pagamentos sem que fosse com talões de cheque ou transferências entre contas, o PayPal chegou para começar uma nova tendência que nunca pararia de crescer.

O projeto foi criado como um sistema de transferência monetária e com o nome inicial de Confinity, combinação das palavras "confidence" e "infinity", ou "confiança" e "infinito". Para que a ideia do seu novo produto começasse a viralizar, Luke Nosek pensou em oferecer um depósito de US$ 10 em cada conta cadastrada, recompensando quem indicasse novos usuários com US$ 10 por indicação. Então, o conceito agradou e foi abraçado por vendedores do eBay, que incorporaram o anúncio do PayPal em suas páginas.

Continua após a publicidade

O serviço começou a ganhar concorrências, como o Dotbank, PayMe e X.com, este último liderado por Elon Musk, que passou a oferecer US$ 20 para cada novo usuário para chamar mais atenção. Até que, em março de 2000, o PayPal e o X.com se fundiram, deixando Bill Harris na liderança, Musk como presidente e Thiel como diretor financeiro.

Desde então, começou a ficar difícil acompanhar toda a evolução da empresa. Em 2002, a PayPal entrou para a Bolsa de Valores; pouco tempo depois, suas ações crescerem 55% no NASDAQ.

No mesmo ano, a PayPal foi adquirida pelo eBay por nada menos que US$ 1,5 bilhão, depois de ter sido recusado pela Google e pela Yahoo.

Continua após a publicidade

No ano de 2004, o PayPal se tornou uma opção no site do eBay do Reino Unido e, dois anos depois, se expandiu internacionalmente incluindo 10 novas moedas.

Enquanto isso, em 2005, a PayPal adquiriu o serviço de pagamentos VeriSign com o objetivo de trazer mais segurança para seus usuários, além de trazer mais potencial para a área de e-commerce, que crescia cada vez mais.

Em 2007, a companhia fechou parceria com a MasterCard para que os clientes pudessem efetuar seus pagamentos via PayPal em sites que aceitassem a bandeira, mas não a plataforma do PayPal. O principal objetivo desta parceria foi reduzir a dependência da companhia em transações geradas em audiências do eBay.

Continua após a publicidade

Naquele mesmo ano, a companhia se expandiu ainda mais para o mercado europeu, gerando mais de US$ 1,8 bilhão em renda. No ano seguinte, adquiriu a startup Fraud Sciences por US$ 169 milhões, obtendo recursos de prevenção contra fraudes e transações verificadas.

Em 2008, o eBay adquiriu a empresa Bill Me Later, algo como "me mande a conta depois", que funcionava como um sistema de pagamento por crédito sem a necessidade de um cartão.

No ano seguinte, cinco novas moedas são adicionadas, totalizando 24. Em 2010, iPhones e dispositivos Android ganham o aplicativo do PayPal para fazerem suas transações pelo celular. A cada ano, o serviço de pagamento mobile trouxe aumento de lucro constante para a companhia.

Continua após a publicidade

Nos anos seguintes, novas aquisições: a Braintree foi comprada em 2013, a Venmo em 2014 e a Xoom em 2015. Inclusive, 2015 foi o ano em que o eBay anunciou que suas operações passariam a funcionar separadamente do PayPal.

Hoje, o PayPal conta com diversos parceiros no mundo todo, disponível em inúmeros sites internacionais e nacionais, disponibilizando ainda serviço de pagamentos e transferências entre amigos, cartão pré-pago digital e inúmeros benefícios. Neste ano, a empresa comemorou a marca de 250 milhões de usuários ativos em todo o mundo.

Fonte: Financial Times