O que é uma linguagem de programação?

O que é uma linguagem de programação?

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 04 de Março de 2022 às 20h20
Kevin Ku/Unsplash

Não há dúvidas que o computador faz parte do dia a dia da população mundial, desde estudantes até profissionais que utilizam a máquinas de formas variadas para as mais diversas atividades. O mesmo não pode ser falado do funcionamento técnico desses aparelhos, com tópicos como linguagem de programação sendo incógnitas para o grande público.

Não falamos somente de saber programar. Existe um desconhecimento geral sobre o que são linguagens de programação, como elas funcionam e como elas permitem que as mais diversas funções possam ser executadas por um computador.

Considerando a importância desse tópico, quanto mais pessoas tiverem noção do que realmente é uma linguagem de programação, mais fácil será entender o funcionamento do computador no dia a dia. Por isso, explicamos detalhadamente o tópico a seguir:

Para que serva uma linguagem de programação?

Exemplo de um programa aberto em um arquivo de texto escrito em código de máquina. (Imagem: Reprodução/ITPro)

A descrição básica de linguagem de programação é que elas são um conjunto de instruções que desenvolvedores utilizam para criar softwares. Já a explicação mais complexa explica que essas instruções, quando são interpretadas por um computador, são convertidas para o chamado código de máquina, em que o dispositivo então interpreta dentro de seu escopo tecnológico o que o programa pode fazer.

Se vista pelo olhar humano então, o contrário acontece: linguagens de programação são formas de desenvolvedores escreverem de forma compreensível para eles funções de código de máquina. É como você ler uma versão traduzida para português de um livro que a língua original você não entende. Mas, assim como a obra do exemplo precisa de um tradutor para chegar ao idioma do Brasil, o mesmo ocorre com as linguagens de programação na hora de serem interpretadas no computador.

Essa “tradução” é feita pelos chamados compiladores, ferramentas presentes no dia a dia de desenvolvedores que tem como principal função transformar as linhas de códigos feitas nas linguagens de programação em dados que podem ser lidos por computadores.

Diversas linguagens para fins diversos

A descrição acima define linguagens de programação em geral, mas é de conhecimento público a grande variedade de códigos que existem no mundo.

Essas variedades, mesmo tendo o mesmo objetivo de qualquer outra linguagem de programação, foram criadas para atender certas necessidades, seja de nichos específicos de desenvolvedores ou mesmo facilitar o trabalho de criação de softwares.

Com isso, o conjunto de regras que permite a construção de um programa muda de uma linguagem para outra — com diferenças de sintaxes e gramáticas, termos reservados (utilizados para uma função específica no escopo da linguagem) únicos e até mesmo vantagens e desvantagens dependendo do objetivo que o desenvolvedor queira alcançar no software.

Vantagens e desvantagens das linguagens de programação

Linguagens de programação tem vantagens e desvantagens. (Imagem: Reprodução/lmonk72/Pixabay)

O código de máquina pode ser escrito por pessoas, mas é um processo extremamente complexo de ser aprendido. Com as linguagens de programação, então, desenvolvedores conseguem ter uma sintaxe mais tangível e que permite eles criarem as aplicações que querem sem precisar entender como se comunicar diretamente com o processador dos computadores.

Além disso, as linguagens de programação também ajudam no desenvolvimento de aplicações para múltiplas plataformas, a partir do uso de compiladores especificados para cada sistema. A partir disso, por exemplo, uma mesma aplicação de Android pode ser compilada para o Windows com poucas alterações na sintaxe da versão original feita para celulares.

Ao mesmo tempo, as linguagens de programação também contam com algumas desvantagens. Uma das principais é que dependendo do compilador utilizado, o programa pode ser convertido para código de máquina em uma escrita não tão otimizada, o que pode afetar o desempenho do computador por ele estar gastando mais recursos para entender a função que o software precisa que ele execute.

Outra desvantagem é que com o uso de linguagens de programação, desenvolvedores não tem controle tão grande do computador quanto teriam caso escrevessem direto em código de máquina — que permite a configuração mais específica do desempenho da máquina, como maior alocação de memória para certas funções de um software, por exemplo.

Porém, essas duas desvantagens acabam sendo ignoradas em boa parte do mercado, pelo fato da facilidade de programar em linguagens de programação do que diretamente em código de máquina — fato que é visível também no mercado de desenvolvimento de softwares, em que as vagas, em sua grande maioria, buscam por profissionais que sabem manipular códigos como C e JavaScript, por exemplo.

Fonte: ITProToday

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.