Maioria das transações bancárias do Brasil já acontece pelo celular

Maioria das transações bancárias do Brasil já acontece pelo celular

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 24 de Junho de 2021 às 20h20

A transformação digital acelerada pela pandemia do COVID-19 trouxe mudanças de hábitos para o comportamento bancário brasileiro. Segundo a Pesquisa Febraban (Federação Brasileira de Bancos) de Tecnologia Bancária 2021 (correspondente ao ano de 2020), pela primeira vez a maioria das transações bancárias por aplicativos mobile foram maioria no país, correspondendo a 51% do total.

Ao todo, foram movimentados R$ 52,9 bilhões por celulares, um aumento considerável em relação aos R$ 37 bilhões registrados no ano anterior. Apesar de os aparelhos portáteis terem ganhado destaque, o total de transações teve um crescimento total de 20% em todos os meios canais bancários (internet, agências, caixas eletrônicos, correspondentes bancários e contact centers), em operações que totalizaram R$ 103,5 bilhões.

O levantamento mostra que o total de contas ativas no mobile banking (aquelas que tiveram alguma movimentação em um período de 6 meses) chegou a 198,2 milhões — mais do que o dobro das 92,4 milhões registradas no ano anterior. Embora 70 milhões delas tenham sido abertas para receber o Auxílio Emergencial do Governo Federal, o setor já esperava um crescimento de 39% mesmo sem considerar os efeitos do programa de transferência de renda.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Pix e investimentos de segurança se destacam

A pesquisa também mostra uma boa aceitação do Pix, solução de pagamentos que entrou em vigor em novembro de 2020. Em sua estreia, a tecnologia movimentou R$ 59,2 milhões entre 21 bancos analisados, valor que saltou para R$ 338,2 milhões em março — o crescimento de 471% pode ser explicado pelo espaço que o sistema ganhou em relação a opções mais tradicionais, como DOCs e TEDs. Ao todo, já são amis de 519 mil usuários cadastrados para fazer transições com a tecnologia.

Com o aumento do uso dos canais digitais, os bancos também estão investindo mais em tecnologias que garantem a segurança de seus clientes e funcionários. Em 2020 os investimentos totais chegaram a R$ 25,7 bilhões, um aumento de 8% em relação a 2018 — os departamentos de TI também foram reforçados, voltando uma média de 10% de seus orçamentos para a cibersegurança.

Para Isaac Sidney, presidente da Febraban, o ano foi especialmente desafiador para o setor bancário, que teve que lidar com uma crise de saúde que trouxe graves consequências econômicas para o mundo. No entanto, ele afirma que o setor bancário brasileiro se mostrou capaz de se adaptar bem à situação, investindo em tecnologias de ponta e novos serviços como uma forma de garantir a segurança de seus clientes, que não precisam sair de casa para realizar as operações que precisam.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.