Discretamente, Nubank recebe novo aporte de R$ 1,65 bilhão

Por Rui Maciel | 27 de Agosto de 2020 às 15h10
Nubank
Tudo sobre

Nubank

Saiba tudo sobre Nubank

Ver mais

No último dia 04 de junho, o Nubank levantou uma nova rodada de investimentos - que não havia sido divulgada até então - no valor de US$ 300 milhões, alto em torno de R$ 1,65 bilhão na cotação de hoje. O documento sobre o aporte foi entregue no dia 19 de junho à Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês), entidade que regula o mercado de capitais no país. Ele foi assinado por David Vélez, cofundador da fintech, Douglas Leone, Nicolas Szekasy e Meyer Mallk, dos fundo de investimentos Sequoia Capital, Kaszek Ventures e Ribbit Capital, respectivamente.

A última rodada de investimentos feita no Nubank ocorreu em julho do ano passado, quando a fintech recebeu US$ 400 milhões, liderado pelo fundo norte-americano TCV. Na época, com esse aporte, a empresa se tornou uma das startups mais valiosas da América Latina, com valor de mercado avaliado em aproximadamente US$ 10 bilhões, sendo a primeira a atingir tal marca sem precisar abrir seu capital na bolsa. No entanto, a SEC não divulgou qual o valuation da companhia a partir deste novo capital obtido em junho último.

Prejuízo... 

Esta é a 11º rodada de investimentos do Nubank, que já levantou US$ 1,4 bilhão (ou R$ 7,7 bilhões) até aqui junto aos fundos. Recentemente, a fintech divulgou o balanço geral de 2019 e também do primeiro semestre de 2020.

Em seus resultados referentes aos 12 meses do ano passado, o Nubank registrou um prejuízo de R$ 312,7 milhões - R$528,9 milhões de receitas e R$ 841,4 milhões em despesas -, um aumento de 211,8% em relação ao ano anterior, quando as perdas foram de R$ 100,2 milhões.

De acordo com a fintech, o aumento de gastos está entre as principais razões para os números negativos do ano passado. As despesas com intermediação financeira avançaram 36,7% (R$ 84,1 milhões); já os gastos com pessoal aumentaram em 88%, saltando para R$ 340,32 milhões.

Escritório do Nubank em São Paulo: despesas com pessoal aumentaram 88% (Foto: divulgação)


Em seu relatório (divulgado pela Nu Pagamentos S.A), o Nubank afirma que "o aumento nas despesas financeiras deve-se principalmente a provisão para aumento de crédito de liquidação duvidosa, que aumentou 53%, enquanto os saldos de valores a receber para o [produto] cartão de crédito no ativo aumentaram 76%". Para cobrir esse rombo, a fintech fez uma provisão de crédito de R$ 747 milhões (contra R$ 486,9 milhões em 2018).

As despesas operacionais do banco também dispararam: de R$ 237,5 milhões em 2018 para R$ 652,3 milhões no ano passado, um aumento de 174,6%. Outras despesas administrativas também cresceram para R$ 1,03 bilhão, um aumento de 202,4%.

Com tais gastos, o resultado operacional do Nubank em 2019 - que envolve diretamente os negócios da fintech - registrou um prejuízo de R$ 443,5 milhões, perdas 285,3% maiores se comparadas a 2018.

...e recuperação

No entanto, o cenário no primeiro semestre de 2020 se mostrou muito mais promissor para o Nubank, com uma redução significativa de seu prejuízo, bem como um aumento considerável de sua base de clientes.

A fintech registrou um prejuízo de R$ 95 milhões no primeiro semestre de 2020. No entanto, as perdas são 32% menores se comparadas ao mesmo período do ano passado. Além disso, a fintech mais do que dobrou a sua base de clientes, saltando de 11 milhões para 26 milhões, com uma média de 41 mil novos correntistas diários. E o seu volume de transações aumentou em 54% em comparação a 2019.

NuConta: Nubank mais do que dobrou sua base de clientes (Imagem: divulgação)

As receitas de intermediação financeira também obtiveram bons resultados, crescendo 104% e totalizando R$ 2,079 bilhões. Além disso, a empresa ressalta que tem R$ 19,9 bilhões em caixa (um aumento de 48% em relação a dezembro de 2019), além de ter elevado provisões para devedores duvidosos para os primeiros seis meses deste ano, um movimento natural dado os efeitos econômicos causados pelo coronavírus. Ainda assim, a taxa de inadimplência foi considerada baixa pela empresa: 5,8% - de acordo com o Banco Central, esse percentual, com mais de 90 dias de atraso, ficou em 7,5% em junho de 2020.

Os anúncios foram feitos no blog oficial da fintech, em um post escrito por Marcelo Kopel, diretor financeiro da instituição. No texto, ele afirma que o "o prejuízo é uma decisão e, por isso, esperado como parte da estratégia de crescimento no momento".

Para completar, o post da empresa afirma ainda que conta com 12% a mais de funcionários do que em dezembro de 2019, totalizando 2.720 colaboradores no final de junho.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.