Após ser "banida" dos EUA, ZTE pode ser proibida de usar o sistema Android

Por Ramon de Souza | 18 de Abril de 2018 às 18h22
TUDO SOBRE

ZTE

Há poucos dias, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos avisou que a ZTE, fabricante chinesa de smartphones, não poderá mais importar componentes do país (como chips da Qualcomm) para fabricar seus dispositivos móveis pelos próximos sete anos. A notícia deixou muita gente chocada, visto que a proibição — aplicada como uma punição pela empresa ter desrespeitado um acordo com o governo norte-americano — afetará gravemente o portfólio da marca.

Porém, como diria o ditado, nada é tão ruim que não possa piorar. Além de ser impedida de usar hardwares norte-americanos, é possível que a ZTE também perca a sua licença para usar o sistema operacional Android — afinal, querendo ou não, o software também é um “recurso” estadunidense. De acordo com informações do WCCF Tech, a Google e a companhia asiática estão discutindo as implicações do veto governamental e tentando entender se o SO também se encaixa na lista de proibições.

Se tal informação for confirmada, a ZTE pode ser obrigada a abandonar seu segmento de celulares ou adotar algum SO alternativo “sombrio”, como o Jolla OS ou algo similar. De qualquer forma, isso faria com que seu já modesto marketshare diminuísse ainda mais em pouquíssimo tempo.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Vale lembrar que a companhia foi proibida de usar componentes dos EUA após falhar em punir os indivíduos envolvidos em uma venda ilegal de dispositivos de telecomunicações para o Irã e Coreia do Norte. Além de ter demitido “apenas” quatro colaboradores envolvidos na manobra, a empresa forneceu bonificações e manteve mais de 35 envolvidos dentro de seu quadro de funcionários.

Fonte: WCCFTech

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.