HSBC põe em dúvida o futuro da B2W, dona do Submarino e Americanas.com

Por Redação | 19 de Setembro de 2013 às 13h10

Mais uma vez o grupo B2W, empresa responsável por grandes sites de comércio eletrônico no Brasil, como Shoptime, Submarino e Americanas.com, está chamando a atenção negativamente. Dessa vez, quem manifestou sua preocupação com o grupo foi o banco HSBC.

Em um novo relatório, a instituição financeira diz que continua preocupada com a B2W, principalmente por duas razões: escoamento do fluxo de caixa e alavancagem de investimentos em infraestrutura. Francisco Chevez, analista do HSBC, diz que o mercado reconhece o esforço da empresa, mas acredita que "o retorno é incerto e distante", conforme relata a revista Exame.

E a B2W tem realmente investido alto. A empresa está em meio a um programa correspondente ao período de 2013 a 2015, onde está destinando R$ 1 bilhão para aperfeiçoar sua infraestrutura de distribuição. "Acreditamos que mesmo depois da infraestrutura pronta, o custo da operação dos serviços de execução de pedidos pode continuar a pressionar para baixo as margens, mantendo os resultados no vermelho", projeta Chevez.

Basicamente, os resultados financeiros do grupo permanecem inalterados desde o final do ano passado, quando apresentou sólido crescimento da receita e aumento dos prejuízos líquidos. Isso é preocupante porque, de acordo com o HSBC, cada dólar incremental na receita reduz o lucro em um valor maior para a companhia.

A forte concorrência no mercado varejista online também está dificultando o levantamento da B2W, que disputa espaço com grandes nomes, como a divisão de varejo eletrônico do Grupo Pão de Açúcar (Nova Pontocom) e a Magazine Luiza, que já ocupa o segundo lugar no comércio online de produtos eletrônicos no país.

Histórico de problemas

Em 2011, o Procon-SP suspendeu as vendas da empresa por 72 horas, uma vez que ela entregava produtos com defeito ou simplesmente não entregava os produtos aos consumidores. Naquela época, a empresa enfrentou uma queda de 71% no valor de suas ações na Bovespa.

Além disso, no ano passado a B2W se envolveu novamente em um escândalo, dessa vez relacionado a uma ação judicial movida pelo Ministério Público do Trabalho, pois os funcionários da empresa enfrentavam condições inadequadas de trabalho. Muitos deles enfrentavam jornadas que ultrapassaram 77 horas semanais, trabalhando 27 dias sem descanso. O grupo foi levado aos tribunais e condenado a pagar R$ 3 milhões por danos morais coletivos.

No segundo semestre de 2012, devido aos fracos resultados e previsões nada animadoras dos analistas, rumores acerca da possibilidade das Lojas Americanas lançarem uma oferta para fechar o capital da B2W começaram a circular, mas a história não foi para frente. Atualmente, a Americanas possui 63% de participação da B2W.