Galaxy S5: vendas abaixo do esperado podem gerar mudanças na gerência da Samsung

Por Redação | 24.11.2014 às 12:35
photo_camera Divulgação

O sucesso bem abaixo do esperado que vem sendo registrado pelo Galaxy S5 deve gerar uma grande mudança no quadro de diretores da Samsung. Segundo uma reportagem publicada nesta segunda-feira (24) pelo Wall Street Journal, J.K. Shin poderia estar prestes a deixar o cargo de co-CEO do setor mobile da companhia, sendo substituído por executivos do segmento de televisores e eletrodomésticos.

As informações não foram confirmadas oficialmente, mas teriam a ver com a dificuldade do aparelho em atingir as expectativas dos investidores. Também segundo informações ainda não confirmadas, o Galaxy S5 teria vendido 12 milhões de unidades em todo o mundo desde seu lançamento, 25% a menos que o Galaxy S4 e 40% abaixo do que era esperado pela diretoria da empresa.

A situação seria mais crítica ainda na China, território que é um dos principais mercados da Samsung. Por lá, as vendas do Galaxy S5 teriam caído mais de 50%, tornando os Estados Unidos o maior comprador do smartphone e também o único lugar onde o novo modelo vendeu mais que o anterior.

Ao que tudo indica, a diretoria da empresa está enxergando os números não como uma perda de tração oriunda da saturação do mercado, mas sim como resultado de uma concorrência mais acirrada. A chegada do iPhone 6 e outros modelos à China, principalmente, dificultou as coisas no mercado, enquanto o lançamento de aparelhos de tela grande não só pela Apple, como por muitas outras fabricantes, teriam desviado a atenção dos consumidores.

Não ajuda também o fato de, para muita gente, o Galaxy S5 ser parecido demais com o Galaxy S4 em termos de design. Apesar de trazer inovações como o sensor biométrico, resistência a água e poeira, além de outras novas funções, a primeira impressão que se tem é de um mero modelo atualizado, o que pode ter levado os usuários a cogitarem opções de empresas concorrentes.

Apesar de tudo isso, a Samsung teria investido pesado na publicidade e fabricação do novo smartphone, o que teria levado a pilhas de aparelhos estocados nas lojas. O aumento nos gastos e um entendimento ruim da demanda por parte dos usuários também teria motivado a mudança no portfólio, com a fabricante coreana prometendo lançar menos aparelhos a partir do ano que vem e o reaproveitamento de peças em diversos modelos para reduzir os custos de fabricação.

Os planos de sucessão de Shin ainda não foram confirmados e o próprio Wall Street Journal diz que a saída do diretor ainda não está confirmada. A mudança faria parte de um plano maior, que também envolve a mudança no fluxo de lançamentos e outras alterações que serão divulgadas no momento oportuno. Oficialmente, a Samsung não se pronunciou sobre as mudanças em seu quadro gerencial, taxado as informações como rumores e especulações.

Oficialmente, a Samsung não se pronunciou sobre as mudanças em seu quadro gerencial, taxado as informações como rumores e especulações.