Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Aquecimento global pode superar limite de 1,5 ºC pela primeira vez até 2027

Por| Editado por Patricia Gnipper | 17 de Maio de 2023 às 18h08

Link copiado!

Gerd Altmann/Pixabay
Gerd Altmann/Pixabay

Um novo relatório da Organização Meteorológica Mundial (World Meteorological Organization – WMO) estima que há 66% de probabilidade que o planeta ultrapasse o limite de 1,5 ºC de aquecimento global entre 2023 e 2027. Há ainda 98% de chance de que estes anos superem 2016 como os mais quentes no mundo desde que se começaram os registros.

O limite de 1,5 ºC de aquecimento global tem como base de comparação o período pré-industrial, na metade do século XIX, antes das emissões de gases estufa através da queima de combustíveis fósseis dispararem. Por décadas, os cientistas consideravam que um aumento de 2 ºC traria consequências desastrosas para o planeta. Nos últimos anos, porém, estudos mostraram que 0,5 ºC a menos que isso já causaria impactos graves.

Continua após a publicidade

O Acordo de Paris, tratado internacional assinado em 2015 para tentar conter as mudanças climáticas, adotou o mesmo valor como meta para a humanidade. Com a imensa maioria dos países falhando em cumprir seus compromissos climáticos, o objetivo pode fracassar em breve.

Nem tudo está perdido, embora certos impactos das mudanças climáticas já estejam cada vez mais evidentes — com eventos climáticos extremos cada vez mais frequentes. A preocupação dos cientistas é que o planeta passe vários anos durante uma mesma década acima do limite de 1,5 ºC. A previsão é de que o aumento a ser observado até 2027 provavelmente seja temporário — o que daria à humanidade mais tempo para reagir.

O El Niño pode fazer o planeta ultrapassar o limite de aquecimento?

A WMO também prevê em seu relatório que o próximo El Niño deve aparecer entre dezembro de 2023 e fevereiro de 2024. O fenômeno cíclico de aquecimento das águas do Oceano Pacífico também tende a elevar a temperatura média do planeta.

Os cientistas, porém, dizem que há muitas incertezas envolvidas ao fazer previsões sobre o fenômeno agora, mas alertam que alguns modelos indicam que sua intensidade pode ser alta.

Fonte: WMO Via: BBC