China está trocando Windows XP pelo Ubuntu

Por Redação | 17 de Fevereiro de 2014 às 15h35

A Microsoft está se preparando para encerrar o suporte oficial do Windows XP, marcado para o dia 8 de abril de 2014, após mais de 13 anos em funcionamento. A expectativa da empresa é ver os sistemas de todo o mundo e, principalmente, os clientes empresariais, migrando para versões mais recentes do sistema operacional. O que está acontecendo, porém, é uma corrida em busca do código aberto.

Companhias da Espanha, Alemanha e, principalmente, China, estão preferindo adotar o Ubuntu e manter o mesmo hardware já existente, em vez de investir em novas máquinas para usar as edições mais recentes do Windows. E a oportunidade, claro, está sendo aproveitada pela Canonical, que já lançou uma versão de seu sistema operacional adaptada especialmente ao público chinês.

O Ubuntu Kylin, como é chamado, já acumula mais de um milhão de downloads e foi desenvolvido em uma parceria com o governo chinês, por meio de seu ministério da indústria. A iniciativa veio após dois pedidos negados pela Microsoft, conforme relatado pelo site ZDNet: a continuidade do suporte do XP na China por mais algum tempo e o retorno das versões mais baratas do Windows 7, que eram vendidas como um incentivo ao upgrade. Como nenhum dos dois foi atendido, o país optou pelo software livre.

Os números ainda são baixos quando se leva em consideração o total da população chinesa – mais de 1,35 bilhões – mas, para a Canonical, representa um grande passo. Os chineses têm uma tendência a obter seus sistemas operacionais já instalados nos computadores, portanto, a marca de 1 milhão de downloads do Ubuntu Kylin mostra que o público está disposto a fazer as alterações por si mesmo.

Além disso, a parceira garante a entrada do sistema nos órgãos governamentais chineses. Aqui, porém, há uma polêmica: a versão do Linux está de acordo com todos os princípios de censura e cerceamento de acesso praticados pelo país, algo que, para muitos, vai contra os próprios princípios do software livre.

A união parece estar gerando cada vez mais frutos e o Ubuntu Kylin está caminhando para se tornar o sistema operacional “oficial” da China. Tal constatação ganhou ainda mais força após o anúncio do fechamento súbito dos escritórios que desenvolviam o Red Flag Linux, outro sistema operacional que também recebia financiamento governamental.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.