Fortnite rendeu quase R$ 2 bilhões para a Apple antes de ser banido da App Store

Por Rubens Eishima | 17 de Agosto de 2020 às 09h40
Epic Games

Em meio à guerra de uma empresa bilionária contra outra trilionária por conta de taxas de 30%, a empresa de análise SensorTower revelou as cifras em jogo no duelo entre Epic Games e Apple. Segundo um relatório da consultoria, o Fortnite rendeu aos cofres da App Store cerca de US$ 360 milhões (algo em torno de R$ 1,95 bilhão, em conversão direta) desde o seu lançamento.

Os números usam como base um faturamento total estimado em US$ 1,2 bilhão em compras no game (quase R$ 6,5 bilhões). Apesar de Fortnite ser gratuito, os jogadores podem comprar itens cosméticos com a moeda virtual V-Bucks, adquirida dentro do jogo com dinheiro real.

Cada compra feita no game em aparelhos da Apple (e também em celulares Android que instalaram o game pela Play Store) tem 30% do valor retido pela loja de aplicativos a título de comissão — uma porcentagem semelhante é cobrada nas lojas dos videogames de Microsoft, Nintendo e Sony.

Diferente do faturamento bilionário no iPhone e no iPad, as vendas de itens no Android não foram tão impressionantes. A mesma SensorTower identificou um total gasto no sistema do Google na casa dos US$ 10 milhões (cerca de R$ 54 milhões), o que daria um total de comissões de "apenas" US$ 3 milhões (R$ 16,3 milhões) para o Google.

Disponível para PC, consoles e celulares, Fortnite já faturou bilhões de dólares (imagem: Epic Games)

No caso do Android, ao contrário das restrições impostas pela Apple, é possível instalar o Fortnite sem usar a Play Store. Neste caso, a compra da moeda virtual do jogo não está sujeita à cobrança da taxa do Google.

Duelo de gigantes

A Epic Games, desenvolvedora do Fortnite, processou a Apple e o Google após ter o seu sucesso de receita removido das lojas de ambos sistemas. As empresas retiraram o game depois que a Epic adicionou uma opção de compra de V Bucks que burlava a comissão obrigatória imposta a apps distribuídos por meio da App Store e da Play Store.

Pouco tempo depois da remoção, a Epic Games já estava não apenas com o processo judicial encaminhado, como também divulgou um vídeo (transmitido dentro do game e em suas redes sociais) parodiando o famoso comercial da Apple inspirado no livro "1984", de George Orwell, e usado no lançamento do Macintosh.

Curiosamente, apesar de protestar contra a Apple e o Google, a Epic não se manifestou contra a mesma prática da Microsoft, Nintendo e Sony, que impõem a mesma restrição de instalação e e mesma cobrança de comissão em seus respectivos consoles.

Fonte: Business Insider, Android Authority

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.