Publicidade

O que é a Web3?

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 21 de Abril de 2023 às 17h00

Link copiado!

Fullvector/Freepik
Fullvector/Freepik

Para analisar a evolução da internet, é possível dividir a história da Web em alguns estágios principais com base nas tecnologias e transformações aplicadas no período. É nesse contexto que surge o termo Web3, indicado para apontar uma nova fase entre as formas de conexão.

O que significa Web3?

A Web3 é um conjunto de tecnologias que representa um novo marco durante a evolução da internet. Tem como grande premissa a descentralização da Web, reforçada por conceitos como o blockchain e a tokenização digital, indo na contramão de um cenário em que dados e plataformas ficam concentradas em Big Techs.

Continua após a publicidade

O termo foi criado por Gavin Wood, fundador da plataforma de blockchain Ethereum, em 2014. Vale a pena ressaltar que o conceito é muito abstrato e, em algumas situações, ainda reside no campo teórico. Mas, antes de entender o que significa essa terceira etapa, é preciso definir o que veio antes.

Web1, Web2 e Web3

Esses termos foram usados para definir outras grandes evoluções no uso da internet. Não há um único ponto de partida que separa as épocas, mas pesquisadores analisam um conjunto de características semelhantes entre os períodos.

Web 1.0

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

O início da World Wide Web, entre o final da década de 1980 e a década de 1990, marca esse primeiro estágio. Os sites eram principalmente estáticos, limitados a textos, hiperlinks e poucas imagens.

Por conta dessas características, a Web1 limitou a experiência dos usuários somente à leitura, com poucas opções de interação e dificuldade para obter um site próprio.

Web 2.0

No início dos anos 2000, já era possível vivenciar a segunda evolução da internet: a Web 2.0 abria espaço para a interação entre usuários. Mensageiros instantâneos, espaços de comentários em sites e plataformas de blogs viabilizavam a criação de conteúdo próprio.

Continua após a publicidade

O grande salto veio com as redes sociais — as plataformas protagonizaram a experiência de ficar online e ampliaram as formas de produção (e monetização) de conteúdo. Enquanto a Web 1.0 se limitou à leitura, a etapa seguinte permitia ler e criar ao mesmo tempo.

Além disso, a Web 2.0 também representou a chegada da portabilidade e dos aplicativos. Com a opção de acessar a internet em qualquer dispositivo, foi possível desenvolver plataformas versáteis e que atendessem a diferentes demandas.

O resultado é a mudança nas formas convencionais de consumo: o pedido de comida por telefone foi substituído pelo app de delivery, o táxi deu espaço para o Uber e por aí vai.

Continua após a publicidade

Uma das principais consequências da “Web2” foi a centralização dos dados nas Big Techs. Meta, Amazon, Google e outras gigantes da tecnologia concentraram as informações dos usuários e mantiveram o controle dos hábitos na internet entre poucos produtos.

Web3

Se a Web2 centralizou o fluxo de dados entre grandes empresas, a Web3 surgiu para descentralizar esse processo. A ideia envolve usar tecnologias de blockchain para dar poder aos usuários e permitir que eles gerenciem os próprios dados.

De forma resumida, o blockchain pode armazenar as informações sobre a propriedade de um ativo digital e disponibilizar os registros publicamente. Assim, as pessoas não dependeriam dos servidores de uma grande empresa para acessar essa informação, enquanto toda a comunidade de usuários pode manter o registro ativo, sem a participação de empresas na intermediação.

Continua após a publicidade

"A Web3 elimina a necessidade de intermediários porque oferece a possibilidade de realizar transações seguras diretamente entre os usuários (peer-to-peer), por meio das novas tecnologias baseadas na blockchain, como os smart contracts”, explica a CEO da consultoria especializada em Web3 Go Digital Factory, Adriana Molha. “É a era da propriedade, da descentralização e das comunidades”, complementa a executiva.

Muitos dos conceitos da Web3 já são aplicados nos mercados de criptomoedas, tokens não fungíveis (NFT) e outros ativos digitais — por isso é muito difícil falar sobre um sem mencionar o outro. Esse estágio da web promete que todos poderão ler, criar e possuir alguma propriedade digital dentro da internet.

Adriana Molha reforça a importância do blockchain para essa função. "Ao mesmo tempo em que oferece a privacidade dos dados, também garante a propriedade do conteúdo produzido pelo usuário”, explica. “Em outras palavras, aquilo que é seu na Web3, é seu mesmo. Está registrado nestas redes descentralizadas chamadas Blockchains e não no servidor de alguma empresa", prossegue.

Continua após a publicidade

Quais as principais características da Web3?

A Web3 possui alguns pilares principais:

  • Descentralização: cria independência de estruturas tradicionais da Web, órgãos governamentais, sistemas de bancos, entre outros casos. A ideia é usar a hospedagem em blockchain para criar uma estrutura livre e sem fronteiras;
  • Privacidade: permite que os usuários tenham mais controle sobre os próprios dados, em uma resposta à estratégia de uso de rastreadores e publicidade direcionada por redes sociais e outros sites;
  • Virtualização: amplia as possibilidades de ações no espaço virtual — o metaverso é um dos principais exemplos.

Web3 e Web 3.0 são a mesma coisa?

Continua após a publicidade

Aqui, a resposta fica um pouco mais complicada. Existem alguns teóricos que usam uma separação entre Web3.0 e Web3: nesse caso, a nomenclatura “3.0” representa alguns padrões de acesso a sites, enquanto a Web3 é usada para englobar todas as outras tecnologias.

Um conceito muito atribuído à Web 3.0 é o de web semântica, ou seja, uma padronização da internet que pode ser compreendida por humanos e máquinas. Isso muda a interpretação dos dados e permite que os algoritmos desenvolvam respostas e antecipem problemas.

Então, é comum que alguns pesquisadores usem o termo Web 3.0 para abordar a web semântica e Web3 para definir os processos de segurança e descentralização.

O metaverso tem a ver com isso tudo?

Continua após a publicidade

Quando o assunto é a criação de novas experiências para a internet, o metaverso é um exemplo mencionado com frequência. Apesar do espaço virtual não ser um conceito recente, ele pode ser combinado com as tecnologias da Web3 para aumentar sua popularidade.

Esses dois temas se interligam quando envolvem token e ativos digitais. "O metaverso está inserido dentro do contexto da Web3 a partir do momento em que as transações nesse metaverso são feitas via tecnologia Blockchain", reforça Adriana Molha.

"Quando é mencionado que a Web3 será uma web imersiva, podemos entender a proposta de metaverso como a interface possível para esta realização", completa a executiva.

Continua após a publicidade

O que já é prática e o que ainda é teoria

A forma mais prática de entender o funcionamento da Web3 ainda envolve o uso de criptomoedas. Como essas tecnologias costumam ser operadas em blockchain, já é possível compreender as etapas dessa rede.

Alguns navegadores, como o Opera e o Brave, já adaptaram a própria interface para receber recursos voltados ao Web3, como uma carteira própria de criptomoedas.

Fora do mercado financeiro, o blockchain também é utilizado para proteger assinaturas digitais, por exemplo, além de adicionar camadas de criptografia no armazenamento em nuvem. Há, inclusive, um projeto de criação de sistema de blockchain nacional para uma moeda virtual desenvolvido pelo Banco Central do Brasil, chamado Real Digital.

Continua após a publicidade

Por outro lado, ainda existem outros recursos que dão seus primeiros passos ou nem saíram do papel. O conceito de dApps, aplicativos criados em uma rede descentralizada e protegida por blockchain, pode ser uma resposta aos apps convencionais, mas ainda existem poucos modelos disponíveis.

Possíveis problemas

Ao mesmo tempo em que procura resolver problemas gerados pela Web 2.0, o Web3 também levanta alguns questionamentos sobre o próprio jeito de funcionar.

O primeiro envolve a capacidade de processamento de dados: a tecnologia de blockchain demora para concluir uma transação e não consegue operar com tantas informações ao mesmo tempo. Por isso, servidores de Google, Amazon e outras empresas são opções mais consolidadas e com maior poder de armazenamento.

Há, ainda, a questão ambiental de todo esse processo. O blockchain depende da mineração e da presença de supercomputadores, que geram problemas a partir do consumo de energia e da necessidade do espaço físico para comportá-los.

Os riscos com a privacidade também chamam a atenção: uma carteira de criptomoedas poderia armazenar todas as informações do usuário com gastos pessoais. Nesse caso, ainda não existem métodos para ocultar alguns dados de visitantes.

Fonte: Harvard Business Review, The New York Times