Disney e Epic Games retiram anúncios do YouTube após relatos de pedofilia

Por Thaís Augusto | 20 de Fevereiro de 2019 às 22h40
Tudo sobre

YouTube

Saiba tudo sobre YouTube

Ver mais

Disney, Nestlé e Epic Games, desenvolvedora do jogo Fortnite, retiraram seus anúncios do YouTube após relato de uma rede de pedofilia que atua dentro da plataforma de vídeos.

O caso ganhou repercussão após o blogueiro Matt Watson publicar um vídeo detalhando como pedófilos usavam os comentários em vídeos para se conectar e trocar contatos. As mensagens eram deixadas em vídeos com crianças ou sexualmente sugestivos. O algoritmo do YouTube então recomendava outros vídeos com conteúdos semelhente — e todos exibiam propagandas monetizadas. Isso acabou criando uma "rede de pornografia infantil leve" em que a seção de comentários se tornava um “local seguro” para que pedófilos discutissem suas preferências sexuais e até mesmo compartilhassem links para conteúdos de pornografia infantil.

Nesta quarta-feira (20), uma representante da Nestlé confirmou por e-mail que "todas as empresas da Nestlé nos Estados Unidos pausaram seus anúncios no YouTube". Um porta-voz da Epic Games também afirmou a posição da empresa: "Entramos em contato com o Google/YouTube para determinar as ações que eles tomarão para eliminar esse tipo de conteúdo de seus serviços". A Disney ainda não comentou publicamente sobre o assunto, mas o YouTube declarou à Bloomberg que tomou medidas imediatas contra a rede de pedofilia, excluindo contas e canais. "Qualquer conteúdo — incluindo comentários — que ponha em risco menores de idade é repugnante e temos políticas claras que proíbem isso no YouTube".

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O total de gastos com publicidade nos vídeos mencionados foi inferior a US$ 8.000 nos últimos 60 dias, e o YouTube planeja realizar um reembolso, disse o porta-voz. Outras empresas, como a Peloton, que desenvolve equipamento para academias, pediram uma investigação sobre o caso.

O vídeo de Watson no YouTube reúne mais de 1,7 milhão de visualizações em três dias. Confira abaixo:

Através de sua assessoria, o YouTube entrou em contato com o Canaltech e afirmou que tem políticas claras que proíbem esse tipo de conteúdo na plataforma. "Nós reforçamos essas políticas ativamente, reportando às autoridades, removendo conteúdos de nossa plataforma e encerrando contas. Nós continuamos a investir fortemente em tecnologia, equipes e parcerias para resolver este problema."

Algo semelhante foi dito sobre os anúncios, que são guiados por políticas rígidas que determinam onde eles serão exibidos. "Nós colocamos essas regras em prática com vigor. Quando encontramos conteúdo que viola nossas políticas, nós imediatamente paramos de exibir anúncios junto a esses conteúdos ou removemos os vídeos completamente".

Fonte: Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.