Publicidade

ChatGPT: O que as empresas podem aprender com a ferramenta de IA?

Por| Editado por Claudio Yuge | 26 de Janeiro de 2023 às 12h00

Link copiado!

rawpixel.com/Freepik
rawpixel.com/Freepik

Nas últimas semanas, uma ferramenta baseada em inteligência artificial tomou conta das redes sociais pela sua capacidade de síntese e desenvolver diálogos de maneira natural — com uma pitada de criatividade. O ChatGPT foi desenvolvido pela empresa OpenIA, a mesma responsável pelo aplicativo de criação de imagens DALL-E.

O recurso se provou uma ferramenta surpreendente, oferecendo suporte para a resolução de diversos problemas, como descobrir uma linha de código com erro, entre outras situações. O Canaltech conversou com Geraldo Júnior, Pesquisador Especialista da empresa de integração de sistemas corporativos Zup, sobre a aplicação da IA e seus possíveis usos no mercado corporativo, confira:

Como as empresas podem usar o ChatGPT para obter melhores resultados?

Continua após a publicidade

Segundo o especialista, o ChatGPT pode ser utilizado em várias áreas de uma empresa de desenvolvimento, "desde a geração automática de conteúdos para o blog até a geração de códigos e projetos". Ao olhar especificamente para organizações de desenvolvimento de software, a ferramenta pode atuar como pair programming — técnica de desenvolvimento de software em que dois programadores trabalham juntos em uma estação de trabalho.

Este tipo de utilização colabora para que as empresas obtenham um melhor desempenho nos pontos, a seguir;

  • Revisão automática de boas práticas de implementação, ajudando a manter a qualidade dos projetos desenvolvidos;
  • Detecção e correção automática de bugs, que evitam falhas e erros nas aplicações desenvolvidas pela empresa;
  • Geração automática de documentações técnicas para os projetos, manuais para os usuários e relatórios de gestão;
  • Resolução de dúvidas que porventura os profissionais envolvidos no processo de desenvolvimento de software tenham;
  • E até na geração de novos códigos, ajudando pessoas desenvolvedoras a implementarem projetos com mais rapidez e eficiência.

"Este conjunto de ações, dentre outros diversos fatores de aplicabilidade, podem ajudar as empresas de desenvolvimento a entregarem produtos de software de forma mais rápida, eficiente e com qualidade", finaliza Júnior.

Continua após a publicidade

Quais são os riscos para desenvolvedores que utilizarem a IA?

As possibilidades de automações que ferramentas como o ChatGPT oferecem podem trazer uma série de benefícios para as pessoas desenvolvedoras, como ganhos na produtividade, economia de tempo e mais eficiência nas ações. No entanto, é importante destacar que essas tecnologias estão em fases experimentais, sujeitas a erros e inconsistências.

Dessa forma, o especialista alerta aos profissionais que estejam cientes das consequências que o uso de forma irresponsável do modelo pode trazer, como:

Continua após a publicidade
  • A geração de códigos/implementações erradas e/ou com bugs;
  • A geração de documentações imprecisas ou que não contemplam todos os detalhes necessários relacionados ao projeto;
  • Aspectos como performance, acessibilidade, segurança e privacidade dos códigos e conteúdos gerados automaticamente pelo modelo exigem uma atenção ainda maior por parte das pessoas desenvolvedoras podendo gerar riscos críticos aos projetos;
  • E por fim, ao nível ético, o conteúdo gerado pode ter implicações legais por violar direitos autorais e perpetuar preconceitos existentes nos dados utilizados no treinamento da ferramenta.

Como as empresas podem melhorar interações automatizadas a partir do ChatGPT?

Ao ser questionado sobre a discrepância nas interações entre o ChatGPT e outros utilizados no país, Júnior explicou que, atualmente, existem no Brasil três tipos de chatbots, são eles:

  1. Fluxo pré-definido: Aqueles que se limitam a responder um número finito e normalmente bem baixo de perguntas, já pré-estabelecidas. Ex.: realizar o pedido de uma pizza por WhatsApp, onde o uso da IA não é necessário;
  2. Generalistas: Aqueles que conseguem responder perguntas sobre várias coisas e contextos. Ex.: Alexa, onde você pode pedir para acender uma lâmpada até perguntar sobre o clima, precisando de uma IA para treinar o modelo;
  3. Mistos: Aqueles que procuram mesclar os dois conceitos, ou seja, usar a IA num contexto específico. Ex.: o usuário pode pedir uma pizza pelo WhatsApp, mas ao perguntar algo diferente, dentro do contexto da pizzaria, ele tende a lhe dar uma resposta igualmente boa.
Continua após a publicidade

Considerando este cenário, o ChatGPT se difere de maneira desigual aos outros recursos de conversa automatizada por ser uma solução generalista treinada por uma quantidade relevante de dados e parâmetros, conseguindo responder desde "como se faz uma pizza" até "como gerar implementações em java" com a mesma naturalidade e "entregando uma experiência de uso muito mais envolvente e personalizada que outras soluções já vistas em mercado".

Sendo assim, as empresas podem utilizar o ChatGPT como base para treinar seus próprios chatbots, oferecendo aos clientes uma interface mais robusta e inteligente.

"Logo, no nosso exemplo, podemos treinar um chatbot misto para a nossa pizzaria que não precisa necessariamente saber informar sobre a bolsa de valores, mas que conseguirá atender os clientes com uma experiência incrível, entendendo gírias, diferentes idiomas e conseguindo entregar respostas diversas e precisas sobre aspectos da pizzaria, como, por exemplo, cardápio, preparo dos pratos, ingredientes, vendas, reservas, cuidados, história da empresa e etc", ressalta o pesquisador especialista.

Maneiras que as empresas podem utilizar o ChatGPT

Continua após a publicidade

O ChatGPT pode ser utilizado em diferentes contextos e por empresas de diferentes segmentos do mercado. Segundo Geraldo Júnior, em um futuro breve, o modelo computacional tende a se tornar uma tendência e referência para a geração de conteúdos, não só textual, mas também visual. Dessa maneira, as empresas devem se preparar e tomar ações, como:

  • Explorar e aprender as possibilidades de uso deste tipo de ferramenta para o seu contexto de negócio, procurando destacar pontos positivos e negativos que você poderá tirar proveito desses modelos (por mais que as automações possam trazer impactos negativos para alguns negócios, a tendência é que surjam novas oportunidades criativas de uso dessas ferramentas para diversas áreas);
  • Experimentar e perceber formas de interações diferentes com as ferramentas que retornem respostas mais precisas para as suas necessidades e contextos de trabalho. Perguntar de uma forma correta e detalhada pode levar a resultados mais relevantes para o seu negócio;
  • Estudar e verificar como o seu nicho de negócio pode ser impactado por uma onda gigante de automações baseadas em IA que tendem a gerar conteúdos cada vez de mais alta qualidade e relevância;
  • Verificar a possível adoção de ferramentas do tipo em conjunto ao seu portfólio de produtos e serviços. Verificando a possibilidade de uso é importante estimar possíveis necessidades financeiras, de time e infraestrutura necessárias para suportar ferramentas do tipo no futuro.

"Por fim, enquanto esses modelos de IA estão disponíveis para testes é de grande relevância que setores estratégicos das empresas procurem testar, realizar experimentos, correlacionar resultados encontrados com possibilidades atuais e futuras do mercado, para estarem preparadas para a adoção, ou não, de ferramentas do tipo em seu cotidiano de trabalho", conclui.