Nvidia "RTX 4090 Ti" e AMD "Radeon RX 7000" surgem em rig de mineração

Nvidia "RTX 4090 Ti" e AMD "Radeon RX 7000" surgem em rig de mineração

Por Renan da Silva Dores | Editado por Wallace Moté | 13 de Dezembro de 2021 às 11h04
Nvidia

O site WCCFTech encontrou o que supostamente seria um rig de criptomineração equipado com as ainda não anunciadas GeForce "RTX 4090 Ti" da Nvidia e Radeon "RX 7000" da AMD, quebrando recordes com uso do algoritmo de Ethereum. Apesar do registro, tudo indica que o resultado é falso, devendo se tratar, na verdade, de hardware modificado.

Nvidia "RTX 4090 Ti" e AMD "RX 7000" surgem em rig de mineração

A máquina foi registrada no site do Flexpool, um pool de mineração de múltiplas criptomoedas, e conta com três unidades de trabalho: a 4090TI-Overclock-Test, supostamente munida de GPUs RTX 4090 Ti, junto à RX7000-Control-Test e à RX7000-Overclock-Test, que contariam com alguma GPU da família Radeon RX 7000 da AMD. Em média, o conjunto oferece mais de 3 terahashes por segundo (3 TH/s) de poder de mineração em Ethereum, gerando 5 Ethereum a cada 3 horas.

Apesar de não haver informações sobre quantas GPUs são utilizadas, é praticamente certo que o rig é composto por centenas delas. Os números impressionam, e são o primeiro indicativo de que o hardware utilizado não é realmente composto pelas novas placas de AMD e Nvidia — tomando como base o conjunto com as "RTX 4090 Ti", que atinge sozinho até 1,3 TH/s, seriam necessárias mais de 10 mil RTX 3090, com 110 MH/s cada.

O rig de mineração com GPUs "RTX 4090 Ti" e "RX7000" entregam cerca de 3 TH/s, números muito elevados para de fato se tratarem daas novas placas de AMD e Nvidia (Imagem: Reprodução/Flexpool)

Um salto como esse em apenas uma geração é extremamente improvável. Fora isso, segundo informantes envolvidos no assunto, tanto as placas GeForce RTX 4000 quanto as Radeon RX 7000 estão atualmente no estágio de Tape Out, em que o design dos circuitos está pronto e já chegou às mãos das fundições responsáveis, como a TSMC, para começar a ser fabricado somente nos próximos meses.

Por fim, é fácil substituir os nomes de conjuntos de mineração nos programas, o que parece ser justamente o caso, para chamar a atenção dos usuários. Especula-se que o hardware utilizado nas máquinas seja composto, na verdade, por placas programáveis para usos específicos, as chamadas ASICs, devidamente otimizadas para criptomineração.

Dito isso, não se pode descartar que mineradores devam continuar afetando os estoques da próxima geração de GPUs das gigantes, considerando os enormes saltos de desempenho indicados pelos rumores.

Novas GPUs premium chegam no final de 2022

As informações já vazadas sobre as placas sugerem que as novas RTX 4090 e RX 7900 XT marcarão um enorme salto de desempenho em comparação a suas antecessoras. A solução da Nvidia deve ser embarcada com o chip AD102, com 18.432 núcleos CUDA, 24 GB de RAM GDDR6X e clocks de até 2,5 GHz, que a permitiriam oferecer 92 TFLOPs de poder computacional, cerca de 2,5 vezes mais desempenho que a RTX 3090.

A nova geração de GPUs de AMD e Nvidia pode ser de 2,5 a 3 vezes mais potente que as atuais soluções das gigantes (Imagem: Reprodução/AMD)

A aposta da AMD seria ainda mais impressionante ao trazer chip Navi 31 com design MCM, de chips menores que compõem a GPU, atingindo assim os 15.360 núcleos. O componente estaria acompanhado de 32 GB de RAM GDDR6 e 512 MB de Infinity Cache 3D, empilhados, entregando 75 TFLOPs, ou quase 3 vezes mais desempenho que a RX 6900 XT. Espera-se que as famílias GeForce RTX 4000 e Radeon RX 7000 sejam oficializadas no final de 2022, entre setembro e novembro.

Fonte: WCCFTech, NeoWin

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.