Intel apresenta novos Core vPro de 10ª geração para empresas e profissionais

Intel apresenta novos Core vPro de 10ª geração para empresas e profissionais

Por Jones Oliveira | 13 de Maio de 2020 às 16h00
Intel

A Intel apresentou nesta quarta-feira (13) o lineup de processadores Core vPro de 10ª geração, que compreende as famílias Core e Xeon para empresas e profissionais. Os componentes são baseados na recém-anunciada microarquitetura Comet Lake, mas como diferencial têm recursos embutidos que atendem a necessidades de três pilares de extrema importância para a fabricante: desempenho, segurança e gerenciamento remoto.

Em apresentação à imprensa, a gerente geral e vice-presidente da divisão de Plataformas de Clientes Empresariais, Stephanie Hallford, destacou que, apesar de essas características estarem em alta atualmente devido à nova realidade de home office trazida à tona pela COVID-19, a Intel já trabalha nelas há 15 anos. Naquela época, a oferta era bem mais básica e se chamava Intel AMT (Active Managemente Technology), que, resumidamente, permitia aos administradores de TI executarem assistência remota em computadores conectados à rede empresarial.

Uma década e meia depois, o AMT evoluiu e agora se chama vPro, reunindo um conjunto de recursos e capacidades que vão além da assistência e gerenciamento remoto, entregando mais desempenho, mais estabilidade e segurança a nível de hardware. Graças a esses quatro pilares, departamentos de TI conseguem manter todo o parque computacional de suas companhias em ordem, mesmo com funcionários e colaboradores trabalhando de casa, bem longe da rede corporativa.

Não deixe de ler:

10ª geração de processadores Intel Core: de todos esses modelos, Core i5 e Core i7 fazem parte da plataforma vPro para empresas e profissionais
10ª geração de processadores Intel Core: de todos esses modelos, Core i5 e Core i7 fazem parte da plataforma vPro para empresas e profissionais (Imagem: Divulgação/Intel)

O que há de novo?

Em todos esses anos houve uma evolução sensível da plataforma vPro, mas o que exatamente mudou da nona geração de processadores para a décima? Bem, para falar a verdade, não muita coisa. Assim como vem fazendo com seu processo de fabricação, a Intel promoveu o "refinamento" dos recursos e funcionalidades que já estão presentes desde pelo menos a oitava geração (Whiskey Lake).

Todos os processadores da família vêm de fábrica com Wi-Fi 6 (Gig+) integrado. O padrão de conectividade utiliza recursos de segurança WPA3 e é quase três vezes mais rápido que o ainda amplamente popular 802.11ac, mas não é exatamente uma novidade nos chips Intel vPro: os componentes de duas gerações atrás já contavam com isso.

O que também não mudou foi o Intel Hardware Shield, um conjunto de recursos que previnem ataques a nível de firmware, efetivamente impedindo alterações não-autorizadas na BIOS do computador. Isso é feito verticalizando a comunicação entre o firmware e o sistema operacional para impedir que recursos críticos sejam afetados por softwares maliciosos. Segundo a Intel, mesmo quando há falha nesse processo, o Hardware Shield é capaz de detectar o problema e fazer o rollback para uma versão anterior e saudável da BIOS e sanar o problema.

Uma das vantagens dos Intel Core vPro é a compatibilidade com o novo padrão de conectividade Wi-Fi 6 (Gig+), presente na plataforma desde a oitava geração
Uma das vantagens dos Intel Core vPro é a compatibilidade com o novo padrão de conectividade Wi-Fi 6 (Gig+), presente na plataforma desde a oitava geração (Imagem: Divulgação/TP-LINK)

Por outro lado, a ferramenta de gerenciamento remoto Intel Endpoint Management Assistant (EMA) passou por um "refinamento" muito bem-vindo. A própria companhia reconhece que antes ela era bastante voltada para o ambiente interno e que por isso acabava ajudando mais a grandes corporações com vastos parques computacionais e rede corporativa gigantesca. Agora isso muda e a EMA passa ser mais "cloud friendly", permitindo gerenciar equipamentos de virtualmente qualquer lugar e a partir de um dispositivo móvel.

Quanto ao desempenho em si, os ganhos apresentados pela Intel estão muito mais relacionados aos ajustes de microarquitetura promovidos pela companhia do que necessariamente à plataforma vPro. Em todo caso, em desktops, os novos Core vPro de 10ª geração foram 44% mais rápidos na análise e visualização de dados utilizando o Microsoft PowerBI. Aqui, o comparativo foi feito entre um equipamento com Core i7-10700 e outro com Core i7-6700, de cinco anos atrás.

Já em notebooks, testes sintéticos feitos utilizando o SYSMark 2018 apontaram desempenho geral 40% superior no comparativo entre uma máquina equipada com Core i7-10810U e outra de três anos atrás com Core i7-7600U. O subteste de produtividade do SYSMark 2018 também mostrou pontuação 36% maior no comparativo entre os dois componentes.

Graças ao Intel Endpoint Management Assistant, profissionais podem trabalhar remotamente seguros de que terão os updates mais recentes liberados pelo departamento de TI e que poderão contar com assistência remota quando necessário
Graças ao Intel Endpoint Management Assistant, profissionais podem trabalhar remotamente seguros de que terão os updates mais recentes liberados pelo departamento de TI e que poderão contar com assistência remota quando necessário (Imagem: Divulgação/Intel)

Modelos, compatibilidade e disponibilidade

Apesar das poucas novidades na vPro como plataforma em si, o anúncio desta quinta-feira (13) é especialmente interessante para empresas que estão com maquinário defasado e em busca de renovação. Por fazerem parte do programa, esses processadores são negociados em grande quantidade, seja em caráter de aquisição ou de cessão por contrato. Dessa forma, a ideia é que quem possui laptops e desktops com até cinco anos (média do ciclo de vida desses equipamentos) possa trocá-los dentro do programa de renovação para novos equipados com os Intel Core vPro de 10ª geração.

E não importa o tamanho do negócio, já que a Intel anunciou um portfólio escalável com nada menos que 27 processadores diferentes para atender desde aquela startup que tem até uma dezena de funcionários até corporações gigantescas, com escritórios e pessoal espalhados por todo o mundo. Para atender o público de entrada, que busca acima de tudo mobilidade, a fabricante anunciou três processadores da série U com até seis núcleos, 12 threads e clock de 4,7 GHz.

Já para atender o segmento de notebooks high-end, que além de mobilidade oferecem desempenho de ponta, a fabricante apostou em quatro processadores da série H e dois Xeon W de décima geração. Tais componentes fazem parte do seleto grupo de primeiros processadores a ultrapassarem a barreira dos 5 GHz em notebooks, alcançando até 5,3 GHz com oito núcleos, 16 threads e 16 MB de cache L3.

Finalmente, empresas que quiserem atualizar estações de trabalho desktop têm à disposição 11 Intel Core vPro de 10ª geração com até 10 núcleos, 20 threads, 20 MB de cache L3 e clock de 5,3 GHz com auxílio do Thermal Velocity Boost. Já administradores de servidores de cloud computing ou data centers focados em análises em tempo real e insights de Big Data podem escolher entre sete opções de Intel Xeon W de 10ª geração, que contam com até 10 núcleos, 20 threads e 20 MB de cache L3.

Processadores mobile Intel vPro de 10ª geração
Modelo Clock base Clock máximo¹ Núcleos Threads Cache L3 TDP
Core i9-10885H 2,4 GHz 5,3 GHz 8 16 16 MB 45W
Core i7-10875H 2,3 GHz 5,1 GHz 8 16 16 MB 45W
Core i7-10850H 2,7 GHz 5,1 GHz 6 12 12 MB 45W
Core i5-10400H 2,6 GHz 4,6 GHz 4 8 8 MB 45W
Xeon W-10885M 2,4 GHz N/D 8 16 16 MB 45W
Xeon W-10855M 2,8 GHz N/D 6 12 12 MB 45W
Core i7-10810U 1,1 GHz 4,7 GHz 6 12 12 MB 15W
Core i7-10610U 1,8 GHz N/D 4 8 8 MB 15W
Core i5-10310U 1,7 GHz 4,4 GHz 4 8 6 MB 15W
Processadores desktop Intel vPro de 10ª geração
Modelo Clock base Clock máximo¹ Núcleos Threads Cache L3 TDP
Core i9-10900K 3,7 GHz Até 5,3 GHz 10 20 20 MB 125W
Core i9-10900 2,8 GHz Até 5,2 GHz 10 20 20 MB 65W
Core i9-10900T 1,9 GHz Até 4,6 GHz 10 20 20 MB 35W
Core i7-10700K 3,8 GHz Até 5,1 GHz 8 16 16 MB 125W
Core i7-10700 2,9 GHz Até 4,8 GHz 8 16 16 MB 65W
Core i7-10700T 2,0 GHz Até 4,5 GHz 8 16 16 MB 35W
Core i5-10600K 4,1 GHz Até 4,8 GHz 6 12 12 MB 125W
Core i5-10600 3,3 GHz Até 4,8 GHz 6 12 12 MB 65W
Core i5-10600T 2,4 GHz Até 4,0 GHz 6 12 12 MB 35W
Core i5-10500 3,1 GHz Até 4,5 GHz 6 12 12 MB 65W
Core i5-10500T 2,3 GHz Até 3,8 GHz 6 12 12 MB 35W
Xeon W-1290P 3,7 GHz N/D 10 20 20 MB 125W
Xeon W-1270P 3,8 GHz N/D 8 16 16 MB 125W
Xeon W-1250P 4,1 GHz N/D 6 12 12 MB 125W
Xeon W-1290 3,2 GHz N/D 10 20 20 MB 80W
Xeon W-1270 3,4 GHz N/D 8 16 16 MB 80W
Xeon W-1250 3,3 GHz N/D 6 12 12 MB 80W
Xeon W-1290T 1,9 GHz N/D 10 20 20 MB 35W

¹ Alguns modelos empregam o Thermal Velocity Boost para alcançar essas frequências em apenas um núcleo

Durante a apresentação para a imprensa, a Intel não precisou quais chipsets e soquetes serão compatíveis com os novos processadores. Porém, posteriormente, em resposta aos pedidos do Canaltech, a fabricante confirmou que os Core vPro terão seus recursos ativados pelos chipsets Q470 no desktop (soquete LGA1200) e QM480 nos notebooks (soquete BGA1528). Quanto aos Xeon, a empresa confirmou que eles serão compatíveis com chipset W480.

Resumidamente, isso tudo significa que as empresas que quiserem adotar os novos Core vPro de 10ª geração não conseguirão fazer apenas a troca dos processadores, sendo obrigadas a também investirem em placa-mãe com soquete e chipset compatíveis. Em outras palavras, terão de adquirir máquinas completamente novas, sejam elas desktops ou laptops.

A Intel também não detalhou quando exatamente os Core vPro de 10ª geração estarão disponíveis no mercado, seja no varejo ou através de fabricantes parceiros. Porém, em apresentação anterior, a companhia confirmou ao Canaltech que o lançamento dos novos processadores Comet Lake-S de 10ª geração será feito em etapas e que os primeiros a chegarem ao mercado serão os modelos desbloqueados (Core K), em maio. Quanto aos laptops, a empresa não abriu detalhes, mas confirmou que já há parcerias ativas com Dell, HP e Lenovo e que em breve veremos novidades anunciadas pelas próprias fabricantes.

Sensação de hiato

Empresas e negócios que já têm todo seu parque tecnológico baseado em plataformas Intel podem ver vantagens em atualizá-lo para os novos Core vPro de 10ª geração, sobretudo se estiverem precisando de mais desempenho e poder computacional. Por outro lado, a falta de novidades na plataforma em si pode ser suficiente para avaliar se o upgrade realmente vale a pena.

Como vimos, assim como vem fazendo com sua microarquitetura, a Intel apenas "refinou" os recursos do vPro para os processadores de 10ª geração, não apresentando necessariamente novidades ou adições que justifiquem a mudança. Por isso, a sensação que fica é que a fabricante está passando por um hiato, um período de entressafras em que não consegue apresentar nada novo e demonstra que a Skylake, lançada no distante ano de 2015, já está saturada com tantos refinamentos.

Já há inúmeros rumores sobre as próximas gerações de processadores da fabricante e apostas de que elas finalmente empregarão litografia de 10nm e apresentarão recursos e ganhos de desempenho não só mais evidentes, mas também suficientes para justificar um upgrade em âmbito corporativo. Por enquanto, tudo não passa de especulação, mas, dado o cenário competitivo montado pela AMD com seus Ryzen PRO 4000, a Intel tem de se mexer rápido.

Leia mais: AMD anuncia Ryzen PRO 4000 e sobe a barra da concorrência no mercado corporativo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.