Análise | Fall Guys é bom porque tem a diversão como peça-chave

Por Wagner Wakka | 11 de Agosto de 2020 às 11h56
Divulgação/Devolver Digital/

Fall Guys: Ultimate Knockout é um excelente exemplo de equilíbrio da indústria dos games. O game foi criado pela Mediatonic, estúdio até então responsável por jogos para navegadores e adaptações de propriedades de outras empresas. Nunca tinham ganhado a visibilidade de agora.

Talvez por isso, Fall Guys tenha tido um lançamento tão conturbado. O jogo foi lançado no último dia 4 de agosto para PC e PlayStation 4 depois de dois finais de semana de beta (ambos bem-sucedidos). Embora tenha segurado bem nos testes, a alta quantidade de jogadores derrubou os servidores nos primeiros dias do título no ar.

O jogo é uma versão virtual de gincanas como as Olimpíadas do Faustão, conhecido quadro do programa dominical da Globo. No jargão dos videogames, contudo, ele é o que se pode chamar de battle royale amigável. Até 60 pessoas participam de uma gincana com cinco diferentes provas, sendo que cada uma corta uma parte destas seis dezenas. No final, somente uma pessoa alcança a coroa que premia a vitória individual.

Tais provas envolvem diferentes desafios: corridas de obstáculos, futebol em times, jogo da memória, pega-pega e outros. O jogador escolhe um bonequinho simples, com diferentes roupinhas e padrões de cores. Contudo, a mudança estética não implica em vantagens ou desvantagens diretas na gameplay.

É neste ciclo de entrar na gincana de cinco desafios com 60 pessoas que mora a alegria do jogo. Mas para além dos bons ajustes de acessibilidade, diversão e bom humor, o que Fall Guys tem de tão bom que conquistou o coração de tanta gente?

Todo mundo joga

Quando Player Unknown’s Battleground (PUBG) fez explodir o gênero o battle royale, cravou para ele uma estética de combate de game em tiro. Outros jogos parecidos, como Fortnite, Free Fire e Apex Legends, até amenizaram o realismo das armas e veículos, mas basicamente o jogo ainda era sobre matar o outro.

O que Fall Guys traz de novo para a mesa é que a competição é importante, mas ela não é exatamente agressiva. Aqui, perder é quase que igualmente divertido quanto ganhar. Isso porque a estética do jogo grita bom humor.

Jogo é colorido e cheio de brincadeiras (Foto: Wagner Wakka/Canaltech)

A joia que Fall Guys protege é a diversão, antes de habilidades manuais, ou até mesmo da competitividade. Por isso, o jogo não conta com nada que estimule um comportamento tóxico. Não há um ranking mundial, formas de agredir o outro, ou mesmo um chat que permita ofensas verbais.

Os controles também não exigem do jogador muita destreza manual. Basta correr, pular, se jogar e agarrar, nada mais. Como os bonequinhos andam de forma desengonçada, com movimentos imprecisos, não há exatamente um convite para masterizar os comandos.

Desta forma, Fall Guys chama para uma diversão sem preocupações contra outras 59 pessoas que, mais ou menos, parecem pensar o mesmo. Com essa proposta de controle simples e quase nenhuma interação entre os jogadores que não seja nas gincanas, o jogo é um espaço seguro e agradável (até mesmo para as crianças) para que ninguém possa acabar com a alegria.

É por isso que perder aqui não é assim tão frustrante, mesmo jogando contra tantas outras pessoas. Como só depende de você, a eliminação, na maioria das vezes, é por uma desatenção ou acaso do destino. Dificilmente você pensa que não é bom o suficiente para aquilo, mas somente que, por puro azar, acabou ficando entre os piores e foi eliminado.

A cada rodada, uma série de participantes é eliminada (foto: Wagner Wakka/Canaltech)

Não cansa? 

Antes mesmo de Fall Guys ser lançado, aproveitamos cada momento de folga para jogar uma partidinha ou outra do jogo. Sem nem mesmo ver o tempo passar.

O game conta com umas duas dezenas de diferentes desafios em times e individuais. O número pequeno para um game que vive deste ciclo pode criar a impressão de que enjoa com o tempo. Entretanto, a prática mostra o contrário.

A questão é que colocar 60 pessoas nas fases com alguns bons obstáculos faz de cada gincana uma experiência aleatoriamente única. São raros os momentos em que você percebe que passou pela mesma fase em um curto espaço de tempo.

Minigames são variados contando até com futebol (Foto: Wagner Wakka/Canaltech)

Assim, mesmo que não haja muitos minigames diferentes para curtir, as possibilidades de acontecimentos fazem deles sempre únicos e frescos mesmo depois de jogar várias e várias vezes.

Vale lembrar que não há um boneco melhor que outro. Até mesmo a posição de partida do seu personagem é aleatória, impedindo que você sempre crie uma estratégia igual para um desafio (e isso é especialmente legal).

Galera

Se jogar Fall Guys sozinho já é muito interessante, isso fica ainda mais legal se você tiver seu time. O jogo permite que você se junte a outas três pessoas em grupo, o que, na prática, não muda muito a forma de jogar, já que somente um de vocês poderá ser o campeão no final.

Fazer um time, por outro lado, significa que todos vão estar sempre nos mesmos servidores nas partidas. Também, em casos de desafios de equipes, sempre estarão do mesmo lado.

A parte genial de Fall Guys é que, mesmo que você morra e não passe para a próxima fase da competição, ainda é possível acompanhar o desempenho dos colegas como observador. Assim, pode ser que você nem esteja jogando, mas conte com uma adrenalina extra ao acompanhar um amigo ou amiga que está quase perto do prêmio.

Cada partida começa com até 60 pessoas no servidor (Foto: Wagner Wakka/Canaltech)

Apesar disso, o jogo falha em não dar mais pontos de experiência se você monta uma equipe. O jogo poderia premiar se um amigo do time avançou para a próxima fase e você ficou, como uma forma de estimular as pessoas a jogar em galera. Uma sugestão simples que poderia vir em atualizações.

Estilo 

Como citado há pouco, a cada tentativa de vencer a gincana, o jogador ganha pontos de experiência e moedas do game. O único objetivo disso é desbloquear diferentes padrões de cores, roupas e animações dos personagens.

Fall Guys funciona em um sistema de temporadas, sendo que o usuário precisa jogar e passar de nível para desbloquear diferentes roupas e cores para seu bonequinho. O sistema é bem amigável e não conta com lootboxes. Somente há um esquema de microtransações, com que é possível comprar mais moedas do jogo com dinheiro real e trocar por novas roupinhas.

Game traz esquema de temporadas que permite desbloqueio de diferentes roupas (Foto: Wagner Wakka/Canaltech)

Aliás, as fantasias são um show a parte. Há quem use uma fantasia de latinha de refrigerante, outro de cachorro-quente e pombos. Isso emula perfeitamente a estética destes programas de TV que inspiraram as brincadeiras do jogo, nas quais os participantes sempre iam fantasiados. Confesso que até agora estou em busca da roupa de latinha de refrigerante.

O sistema de desbloqueio também conta com uma lojinha que diariamente coloca por tempo limitado algumas “ofertas” de diferentes fantasias para serem compradas, estimulando o jogador a sempre visitar o espaço.

Engasgo

Apesar do belo lançamento, nem tudo são flores. No dia de estreia, os servidores do título não aguentaram a quantidade gigante de jogadores que entraram nas gincanas ao mesmo tempo. A demanda foi tamanha que os próprios desenvolvedores assumiram que não esperavam tanta gente assim. Dessa forma, foi difícil conseguir entrar em uma partida de Fall Guys nos dois primeiros dias sem sentir uma queda ou atraso logo depois.

Contudo, isso é natural. Vale lembrar que ainda estamos em meio a uma pandemia, para um lançamento em proporções acima das imaginadas de um estúdio independente. “Quando a gente diz que Fall Guys está lidando com muito tráfego… tivemos mais de 1,5 milhão de jogadores novos nas últimas 24 horas”, uma marca que poucos games podem dizer que têm.

Parte do sucesso de Fall Guys se deve ao PlayStation 4. O jogo está disponível na Playstation Plus, sem custo adicional parra quem assina o serviço online. Ou seja, pode ser que muita gente tenha entrado na brincadeira pela facilidade de acesso ao game.

Vale a pena? 

Os desenvolvedores da Mediatoni já disseram que estão programando atualizações e novidades para o jogo. Isso quer dizer que Fall Guys só está no começo e a diversão só tende a melhorar.

Com um sistema muito simples de jogabilidade aliado a um sistema que impede assédio e agressões entre os participantes, traz um território fértil no qual a diversão pode florescer sem impedimentos, passando longe da frustração.

A mistura de 60 pessoas e dezenas de desafios cria uma boa combinação que afasta a mesmice e convida a boas risadas sem compromissos.

Se você tem um PlayStation 4 e assina a PlayStation Plus, não há motivos para não entrar em Fall Guys. Mesmo no PC, o preço de R$ 30 é uma bagatela para o tanto de diversão que ele proporciona.

Diante disso, e com alguns ajustes de servidores, é possível cravar que Fall Guys é, se não o melhor jogo do ano, forte candidato à lista de melhores ou, pelo menos, para a categoria de melhor multiplayer.

Desenvolvido pela Mediatonic e publicado pela Devolver Digital, Fall Guys chegou em 4 de agosto para PC via Steam e PlayStation 4. No Canaltech, o jogo foi analisado no PC com cópia cedida pela Devolver Digital.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.