Quanto custa localizar um game no Brasil?

Quanto custa localizar um game no Brasil?

Por Lucas Arraz | Editado por Bruna Penilhas | 20 de Maio de 2022 às 15h37
Kelly Sikkema/Unsplash

Um pedido não sai do imaginário da comunidade que consome jogos no Brasil: a presença de textos e áudios em português nas aventuras que amamos jogar. Nos últimos meses, multiplicaram-se nas redes sociais campanhas que tentam sensibilizar desenvolvedoras e publicadoras pela localização dos jogos lançados nas principais plataformas no mercado.

Apesar da movimentação, que conquista adesão de famosos e lugares nos assuntos mais comentados, a reação do mercado ainda é incipiente e lenta para anunciar jogos em nosso idioma. Uma consulta feita pelo Canaltech com uma série de profissionais e empresas do ramo de localização no Brasil indicou que a principal razão para vermos tão poucos jogos de grandes produtoras traduzidos é a relação de insegurança gerada pelo custo do serviço contra a incerteza de que o investimento se pagará com a venda de jogos no país.

Em média, a localização apenas em texto de um jogo pode custar de R$ 0,20 a R$ 0,75 por palavra. Isso significa que um título como Starfield, que promete contar com 150 mil linhas de diálogo, geraria um custo médio de R$ 500 mil para ser localizado apenas para o nosso idioma, excluído as palavras de menus e descrições de itens, por exemplo.

A grande verdade, no entanto, é que esse tipo de orçamento escala em preço, à medida que o projeto aumenta de tamanho e mais profissionais precisam entrar na linha de produção do ramo de tradução de jogos. “Essa é uma conta que pode representar um investimento de dezenas de milhares de reais para o estúdio até centenas de milhares. É difícil traçar uma média ou limite”, contou um profissional do mercado de localização de jogos no Brasil, que não identificaremos no texto.

O custo para localizar um jogo varia bastante devido ao envolvimento de diferentes variáveis, que vão do número de profissionais envolvidos, até a complexidade do trabalho que será feito.

Um jogo que tem como o cenário o Japão antigo, por exemplo, vai exigir mais tempo de pesquisa da equipe de localização, que vai trabalhar na tradução contextual dos diálogos, fazendo com que o produto final não perca a essência do momento histórico que deseja passar. Mais tempo nesse ramo, como em todos os outros, representa mais custos para a produção.

Custo de dublagem

Quando o game ainda conta com dublagem, a conta final em reais cresce bastante. Além dos profissionais que traduzem as linhas de diálogo, chamadas no ramo de strings, times de dublagem precisam de diretores, preparadores de voz e revisores adicionais dedicados aos vocais, sem contar com o cachê de dubladores, que muitas vezes são nomes renomados, influenciadores ou pessoas da mídia que cobram alto pelo serviço.

No final da linha, antes de entregar o trabalho final, os estúdios de localização no Brasil ainda precisam lidar com a carga tributária brasileira, que taxa serviços pagos em dólar e o processo de conversão de pagamentos estrangeiros trazidos ao país.

Luiz Carlos Persy e Luiza Caspary dublaram Joel e Ellie na localização brasileira de The Last of Us (Imagem: Reprodução/Twitter/@TheLastOfUsBR)

Tradução de fãs x localização profissional

O orçamento para localizar um grande jogo para português, que começa na casa dos seis dígitos, pode assustar quem acompanha a comunidade no Brasil. Não é raro encontrar versões modificadas de jogos, como The Legend of Zelda: Breath of the Wild, com textos e até vozes em português brasileiro feitas por fãs.

A tradução é produzida em um esforço conjunto e gratuito da comunidade, muitas vezes assustando o desavisado que cobra que grandes publicadoras façam o mesmo com seus jogos.

Segundo os especialistas do ramo consultados pela reportagem, é impossível traçar um paralelo entre o trabalho de localização profissional com a tradução feita por fãs.

“A diferença entre o trabalho de fãs e de uma empresa, é que os fãs não mantém contato direto com a desenvolvedora de um jogo, com o material original que precisa ser traduzido e não possuem as ferramentas necessárias para realizar o processo da forma ideal. Os fãs fazem a tradução com aquilo que têm na mão. Já uma empresa precisa manter uma estrutura, com supervisor, diretor e núcleos que vão olhar a localização por diferentes angulos”, explicou um profissional do ramo.

Como um jogo é traduzido para português do Brasil?

Enquanto a tradução de jogos como Metroid Dread foi realizada por fãs em apenas 48 horas, o trabalho de localização foi descrito à reportagem como um processo que se assemelha a uma linha de produção de fábrica.

Tudo começa com a equipe de desenvolvimento, que tem um roteiro fechado. Esse roteiro é disponibilizado para consulta das equipes de localização, sejam elas da própria desenvolvedora ou de agências externas contratadas.

O roteiro compreende os diálogos, descreve cenas cinematográficas e todo o jogo de maneira geral. Esse tipo de material é enviado em plataformas próprias de localização ou ainda em um singelo arquivo de Excel. Para dublagem, o processo é mais complexo, uma vez que o roteiro precisa destacar a forma como as falas vão estar presentes na aventura jogável.

Fãs traduziram Metroid Dread em 48 horas, em processo bem diferente de localização de jogos (Imagem: Reprodução/Twitter)

Com as strings em mãos, a equipe de localização não trabalha em uma simples tradução, com substituição de palavras por equivalência na nossa língua. Os times procuram frases que não alterem o contexto e a sensação inicial que aquela frase causaria em outro idioma.

Com a etapa superada, uma revisão inicial é realizada. Em um processo chamado “proofreading'', uma versão beta da localização é aplicada no jogo e disponibilizada para uma equipe de controle. Esse grupo jogará o título com a tradução, em busca de bugs e erros de ortografia.

Como o português costuma ter palavras com mais caracteres, é comum que textos localizados de outras línguas ultrapassem o espaço dedicado aos diálogos em um jogo, gerando distorções na tela.

Antes da entrega final, o processo de localização ainda passa por novas revisões e pode ser iniciado do zero, caso a equipe de desenvolvimento resolva adicionar novas mecânicas ou trechos de história em uma aventura. Esse é um tipo de serviço que pode ser feito internamente pelas publicadoras e estúdios ou, em partes, terceirizado para empresas parceiras.

Por que a Nintendo não localiza mais jogos?

Com o processo complexo de localização de um jogo, é impossível estimar quanto tempo uma aventura de grande orçamento precisa para ser traduzida.

Kirby and the Forgotten Land, a sequência de The Legend of Zelda: Breath of the Wild e a dupla Pokémon Scarlet e Pokémon Violet são exemplos de lançamentos que ganharam campanhas de fãs que pedem por legendas e dublagens em nosso idioma. A mobilização, no entanto, ainda não mostrou resultados concretos na primeira linha de jogos da japonesa.

Em comunicado enviado para a imprensa, a The Pokémon Company anunciou que Scarlet e Violet não contarão com suporte para português do Brasil, mas que estuda a possibilidade. A cautela para esse tipo de serviço, segundo especialistas, deve-se à incerteza de retorno financeiro para o trabalho.

“É fácil acreditar que a Nintendo ainda estuda bastante a sua base de jogadores antes de fazer um investimento em localização. A empresa deve ter dúvidas se a base de jogadores que possui no Brasil é um mercado com garantias de retorno para aportar recursos na tradução de jogos com grandes diálogos”, contou um dos profissionais ouvidos pelo Canaltech.

Recentemente, a empresa do Mario publicou seus primeiros jogos com opção de legendas e dublagem em português do Brasil. Todos os títulos, no entanto, fugiram do modelo de grandes campanhas de história e diálogos complexos. Os jogos localizados são party games, casuais, como Mario Party Superstars, Nintendo Switch Sports e o próximo lançamento da empresa, Mario Strikers: Battle League.

A Sony e a Microsoft, por sua vez, costumam lançar seus exclusivos com localização total para o mercado brasileiro. Alguns estúdios e publicadoras como Bandai Namco, Riot Games, Warner Bros. Games, Activision Blizzard, Devolver Digital e Ubisoft também têm dado uma atenção especial para os jogadores do Brasil em seus últimos lançamentos, seja na localização completa ou, pelo menos, com os textos e menus traduzidos.

Ainda não sabemos se os pedidos dos jogadores brasileiros serão atendidos em algum momento do futuro, mas é provável que o movimento da comunidade não acabe por aqui.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.