Review | New Pokémon Snap é o jogo que a gente precisa neste momento

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 03 de Junho de 2021 às 12h51
Divulgação/Nintendo

Para quem cresceu no auge da febre Pokémon, lá no início dos anos 2000, o velho Pokémon Snap era uma questão de amor ou ódio. Não tinha meio termo. Muita gente adorou o jogo de Nintendo 64 por ser a primeira vez que a franquia ia de vez para o 3D. Só que, para quem queria ver apenas uma rinha de bicho colorido, o jogo era pura frustração. E eu era parte desse segundo grupo.

Vamos combinar que encarnar o Sebastião Salgado não é o sonho de nenhuma criança de 10 anos e que, nessa idade, qualquer coisa diferente de colocar seus Pokémon para sair no soco soa como sem sentido. Era um jogo bonito, mas pouco atraente para quem queria a experiência do desenho — e, por isso, nunca me chamou a atenção. E eis que, 20 anos depois, me vi perdendo algumas dezenas de horas tirando fotos de um Pikachu em New Pokémon Snap. O que mudou?

Em relação ao clássico do N64, nada. Claro, os visuais estão muito melhores agora no Switch, com ambientes muito mais variados e com uma quantidade quase impossível de memorizar de novos Pokémon. Contudo, em sua essência, New Pokémon Snap é exatamente o mesmo jogo de 1999, com as mesmas qualidades e limitações.

O que mudou nessas duas décadas fui eu. Hoje, com preocupações que vão muito além de não perder o horário do programa da Eliana, sentar em frente à TV para desligar a cabeça e tirar umas fotos de uns Pokémon parece ser a melhor coisa para se fazer no Brasil de 2021. Quase necessário, eu diria.

New Pokémon Snap é a representação perfeita do comfort game, aquele tipo de jogo que você usa para passar o tempo e relaxar, sem qualquer tipo de compromisso. Ele é aquela diversão simples para esvaziar a mente e lavar a alma. Esqueça a ansiedade por ter um zumbi tomado por um fungo mortal na sua cola ou a adrenalina de um tiroteio em um ilha com ônibus voadores. O foco aqui não é desafiar o jogador, mas deixar ele curtir cada pequeno momento da região de Lental e tudo o que os seus diferentes biomas têm a oferecer. Um Pikachu surfando? Click. Um bando de Charmander dançando à beira de um vulcão? Click de novo.

Ele é quase como uma daquelas playlists lo-fi que você coloca para abstrair de tudo à sua volta. Não é o tipo de música que você ouve para curtir o som de fato, mas que está ali para te fazer bem em um momento específico. E o novo game fotográfico da Nintendo faz exatamente isso: é o mais puro suco de escapismo e relaxamento. Tudo o que a gente precisa a certa altura da vida.

Existem diversas formas de interagir com o mesmo Pokémon em cada um dos ambientes da região de Lental e a graça está em extrair todas essas possibilidades (Imagem: Captura de tela/Durval Ramos/Canaltech)

Para isso, ele traz cenários que premiam a exploração. Por mais que o avançar nas fases seja on rails, nos mesmos moldes do game original — ou seja, você não tem liberdade para caminhar pelo mapa, seguindo apenas pelo trilho que o jogo determina —, são dezenas de possibilidades de interação com os Pokémon que aparecem e com o próprio cenário. Assim, de forma bem natural, o jogo incentiva que você revisite uma mesma fase diversas vezes para tentar gerar novos resultados. É tão satisfatório descobrir algo novo que instintivamente você volta para tentar descobrir mais alguma coisa.

E esse é um dos grandes trunfos de New Pokémon Snap. Um dos meus maiores medos era que ele rapidamente se tornasse repetitivo, já que tudo poderia se resumir a arremessar objetos nos bichinhos e fotografá-los. Contudo, são tantas interações e consequências no comportamento dos Pokémon e daquilo que você vai encontrar pelo trajeto que mal sobra espaço para a mesmice.

O jogo mescla bem todas gerações de Pokémon e faz com que a interação entre eles soe natural — o que incentiva a exploração (Imagem: Captura de tela/Durval Ramos/Canaltech)

E ainda que você não seja um grande conhecedor ou mesmo fã das gerações mais recentes de Pokémon, a grande graça está em encontrá-los pelas fases e, principalmente, ver como eles interagem com o ambiente e com outras espécies. É quase como um Globo Repórter Pokémon, em que a diversão está em explorar e encontrar as situações mais variadas de cada um dos monstrinhos disponíveis.

De mente aberta

Apesar de New Pokémon Snap expandir muito bem tudo aquilo que foi introduzido no jogo original, é preciso levar em conta que ele se trata de um game de nicho muito específico. Não estou falando de algo que somente o fã vai gostar, mas de um jogo em que é preciso estar aberto para a proposta.

Os visuais de New Pokémon Snap são de encher os olhos (Imagem: Captura de tela/Durval Ramos/Canaltech)

Assim como no clássico de 1999, ele é inteiramente voltado à sua jogabilidade e a essa exploração descompromissada. Não há o sistema de batalhas que sustenta a franquia por gerações, uma grande história ou mesmo um componente online que faça o dito jogador hardcore se envolver e mergulhar a fundo no jogo. No fim das contas, ele ainda é um jogo de tirar foto e, da mesma forma que o original do N64 não era para aquela criança que queria viver o desenho, a nova versão para Switch também não é para quem quer algo que vá além desse comfort game.

E não há problema algum nisso — ainda mais se lembrarmos que estamos falando de um jogo que não sai por menos de R$ 300. Porém, quem estiver aberto a deixar todo o lado competitivo da linha principal de Pokémon ou mesmo o ritmo mais frenético de outros jogos vai encontrar uma aventura divertida, leve e recompensadora, do jeito que a gente precisa para aguentar dias tão turbulentos.

New Pokémon Snap foi analisado no Canaltech com cópia gentilmente cedida pela Nintendo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.