FIFA conversa com outros estúdios em meio a disputa com EA

FIFA conversa com outros estúdios em meio a disputa com EA

Por Lucas Arraz | Editado por Bruna Penilhas | 18 de Outubro de 2021 às 15h26
Divulgação/EA

Entidade que rege o futebol mundial, a FIFA, emitiu uma declaração se dizendo otimista para aumentar o portfólio de jogos e esportes eletrônicos. O comunicado surgiu após a Electronic Arts declarar que tem planos de não renovar o contrato de uso da marca da entidade para os próximos simuladores de futebol. Após o lançamento de FIFA 2022, neste ano, a desenvolvedora pode nomear seus jogos esportivos com a marca registrada EA Sports FC.

"A FIFA está otimista sobre o futuro de longo prazo nos jogos e esportes eletrônicos, seguindo uma avaliação abrangente e estratégica do mercado de jogos e entretenimento interativo", diz a declaração da entidade. O comunicado ainda parece se dirigir à relação com a EA: "está claro que este [concessão da marca FIFA] precisa ser um espaço ocupado por mais de uma parte controlando todos os direitos”. 

Segundo o site PC Gamer, a FIFA está em contato com vários membros da indústria de videogames, incluindo desenvolvedores, investidores e analistas. O objetivo seria construir o que a entidade chamou no comunicado de “visão de longo prazo do setor de jogos, esportes eletrônicos e entretenimento interativo”. 

O possível fim do casamento entre EA e FIFA, que durou décadas, seria o valor cobrado pela organização mundial do esporte para renovação da marca que expira em dezembro deste ano. Uma reportagem do The New York Times revelou que a FIFA pede mais de US$ 1 bilhão, cerca de R$ 5,5 bilhões em conversão direta, para continuar o contrato de licenciamento por mais quatro anos.

O fim do acordo pode prejudicar mais a entidade de futebol do que a desenvolvedora. De acordo com análise da reportagem do PC Gamer, alguns executivos da EA podem manter a percepção que o estúdio fez mais para solidificar a marca da FIFA nas últimas décadas do que a própria FIFA.

As vendas dos jogos, que ganham uma edição atualizada a cada ano, ultrapassaram US$ 20 bilhões nos últimos 20 anos, cerca de R$ 110 bilhões na cotação atual. A FIFA teria lucrado aproximadamente US$ 150 milhões por ano com os lançamentos, se tornando o contrato comercial mais valioso da organização.

Fonte: PC Gamer

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.