Ex-funcionários da Activision Blizzard dizem que homens também sofriam assédio

Ex-funcionários da Activision Blizzard dizem que homens também sofriam assédio

Por Felipe Goldenboy | Editado por Bruna Penilhas | 27 de Julho de 2021 às 12h52

Desde que a Activision Blizzard foi processada judicialmente por manter uma cultura de assédio sexual, vários ex-funcionários têm se manifestado nas redes sociais sobre os abusos sofridos. Alguns relatos são de homens, que afirmaram terem sido vítimas também.

Atenção: o texto a seguir pode conter gatilhos.

As acusações vão desde massagens indesejadas nos ombros, convites para transar, assédio sexual no primeiro dia de trabalho e uma “brincadeira” em que os colegas tentavam apalpar os órgãos genitais uns dos outros. Tudo isso no ambiente de trabalho da Activision Blizzard.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Brad Crusco, um ex-desenvolvedor da empresa, escreveu no Twitter que sofreu assédio de vários chefes homens. “Descrições explícitas dos atos sexuais que eles queriam fazer comigo, propondo sexo a mim e a minha esposa, massagens nas costas”, contou. “Isso geralmente acontecia na frente dos meus outros colegas de trabalho, que não falavam nada”.

Ele disse que “ir ao RH não era uma opção” porque a fofoca costumava se espalhar imediatamente pelo estúdio. Crusco também não era levado a sério pelos colegas quando reclamava com eles. “‘Não vale a pena arriscar minha carreira por isso’, eu dizia a mim mesmo. Este é um dos meus maiores arrependimentos. Eu sabia que, quanto mais eu aguentava, mais eu deixava eles agirem dessa forma com os outros”, escreveu. Leia a thread (em inglês):

Outro relato é de uma ex-engenheira da Blizzard, Cher Scarlett. Ao Kotaku, ela afirmou conhecer três homens que denunciaram a Activision Blizzard ao governo da Califórnia pelas “brincadeiras” em que os homens se apalpavam. Quem perdia era chamado de “gay chicken” (algo como “gay covarde”).

Já Kevin Meier, um ex-gerente da Blizzard, publicou um vídeo no TikTok confirmando todas as acusações: “eles dizem que as denúncias não representam o que a Blizzard é. Representam, sim. E representam há muito tempo. Desde o meu primeiro dia de trabalho, em 2012, eu fui assediado sexualmente, e com as mulheres era muito pior”, diz. Assista (em inglês):

@purebullfit

Yes I am so angry my neck is red. This is a leadership and culture problem, this IS you. ##EveryVoiceMatters ##ActivisionBlizzard ##DoBetter ##SAAwareness

♬ original sound - purebullfit

Um detalhe é que o próprio Meier foi criticado por outros ex-funcionários, que o acusaram de também participar e incentivar a cultura de assédio. Meier não se pronunciou.

Activision Blizzard minimizou acusações de assédio

As declarações de ex-funcionários vieram a tona após a Activision Blizzard ser processada judicialmente pelo estado da Califórnia. A empresa chamou as acusações de “distorcidas” e “falsas”.

Frances Townsend, vice-presidente executiva para assuntos corporativos da Activision, mandou um e-mail aos funcionários minimizando as acusações: “Não podemos permitir que ações escandalosas de terceiros e um processo judicial verdadeiramente sem mérito e irresponsável prejudiquem nossa cultura de respeito e oportunidades iguais para todos os funcionários”.

O posicionamento da empresa não agradou funcionários antigos e atuais. Além dos relatos publicados nas redes sociais, um abaixo-assinado enviado à diretoria da empresa diz que o posicionamento da Activision Blizzard foi “abominável e ofensiva”, e pede que as lideranças “reconheçam a seriedade das alegações”.

Fonte: Kotaku, The Gamer

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.