Dying Light 2 chega em 7 de dezembro; confira as imagens de gameplay

Por Felipe Demartini | Editado por Jones Oliveira | 27 de Maio de 2021 às 16h56
Divulgação/Techland

A Techland encerrou o mistério e finalmente revelou mais detalhes sobre Dying Light 2. A sequência do game de ação que coloca o jogador para fazer parkour no meio de zumbis em um mundo pós-apocalíptico chega no dia 7 de dezembro para PC, PlayStation 4 e Xbox One, com otimizações gratuitas para PlayStation 5 e Xbox Series X|S e dublagem em português.

O game se passa 15 anos depois do jogo original, com o mundo inteiro devastado pelo vírus após novas ondas de contaminação. O isolamento do epicentro da infecção, que vimos no game original, deixou de importar quando novas variações vazaram a partir de laboratórios de pesquisa, levando a uma devastação de 98% da população.

No que restou, as pessoas aprenderam a conviver com a morte e a destruição, com o surgimento de poderes paralelos que impõem uma lei violenta enquanto os inocentes lutam pelo que restou dos recursos. Villedor é a última cidade humana, se é que podemos chamá-la assim, e o ponto central da história de Aiden Caldwell, que busca as próprias origens e, ao que parece, também deve lutar, ele mesmo, contra o contágio.

Entre decisões que mudam os rumos da história, mudanças de ambiente que transformam a cidade e diferentes alinhamentos com as facções que controlam os terrenos infectados está o habilidoso personagem, capaz de atravessar os cenários usando parkour. É melhor, porém, fazer isso durante o dia, já que à noite, como no game original, os monstros saem da toca para caçar e se tornam ainda mais violentos, com 15 anos de mutação e contaminação mostrando sua cara mais perigosa.

Todas as novidades foram reveladas nesta quinta-feira (27) durante uma transmissão ao vivo, que também contou com uma longa apresentação de jogabilidade e dos diferentes aspectos de Dying Light 2. Os gráficos, claro, demonstram evolução em relação ao original, tanto quanto os desafios em si, enquanto o foco no parkour segue como a melhor maneira de sobreviver, mais até do que os combates contra os infectados.

Um ponto interessante é a verticalidade, com Dying Light 2 apresentando um mundo em que os topos dos edifícios e estruturas suspensas são a nova casa do que restou da humanidade, enquanto o nível do solo não apenas está dominado por monstros, como pode apresentar toxicidade. Mais um motivo para o domínio do parkour e das táticas de guerrilha desses personagens, já que, além do estilo, essa se tornou uma questão de sobrevivência.

A Techland demonstrou, ainda, ter retrabalhado o combate do game original, tornando os golpes mais pesados e satisfatórios, enquanto a mobilidade e a furtividade se tornaram ainda mais presentes. Tudo depende de como o jogador deseja seguir adiante, com a customização de habilidades tendo papel fundamental no progresso.

Não poderia faltar, claro, uma edição especial de Dying Light 2, com steelbook para guardar o game, uma lanterna UV, livro com artes do título e uma série de conteúdos digitais, além do artigo mais importante: um diorama de monstros que também serve como luminária. O pacote é limitado e, lá fora, está saindo por US$ 259,99 (cerca de R$ 1.365 em conversão direta). Por enquanto, não existe previsão de lançamento oficial no Brasil, mas outros pacotes, com extras digitais, também já estão em pré-venda e devem chegar por aqui.

Retorno ao passado

Dying Light Platinum Edition reúne todo o conteúdo lançado para o game original em um único pacote para todas as plataformas e com valor promocional (Imagem: Divulgação/Techland)

Antes da sequência, que chega apenas no final do ano, a Techland também anunciou a Dying Light Platinum Edition, nova versão que traz todo o conteúdo adicional lançado durante o ciclo de vida do primeiro jogo da franquia. A edição já está à venda para PC, PlayStation 4 e Xbox One, rodando também no PS5 e Xbox Series X|S, além de preço promocional na primeira semana de lançamento.

No evento, a Techland também agradeceu o apoio dos fãs, que vem desde os tempos de Dead Island, e anunciou um concurso com prêmios em dinheiro para aqueles que criam conteúdo com base na franquia, seja em forma de cosplay, desenhos, paródias e demais produções. Mais informações devem ser reveladas em breve, incluindo a possibilidade de participantes internacionais.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.